Homem estrangula acusado de estuprar sua filha e queima seu órgão genital na Índia

Pai estrangula e queima órgão genital de homem que estuprou sua filha de apenas 14 anos

Um indiano, tomado pelo ódio e espírito de vingança, decidiu torturar e assassinar o estuprador de sua filha de 14 anos.

Em relato ao MailOnline, o homem de 36 anos disse que atraiu o estuprador até sua casa, em Delhi, e preparou um jantar antes de entregar-lhe um comprimido para dormir. Após isso, as sessões de tortura começaram.

"Inicialmente, eu não queria matá-lo e lhe pedi que, tranquilamente, deixasse a minha casa e minha vida, mas ele me provocou. Eu fiquei muito, muito irritado e perdi a cabeça. Eu enrolei uma toalha em volta do pescoço dele, amarrei suas mãos e o arrastei para o chão. Acendi a chama do fogão e esquentei pinças de ferro”, relatou.

"Eu pensei que ele estava morto, mas ele ainda estava respirando, então com uma mão eu o estrangulei e coloquei a pinça aquecida em seus órgãos genitais. Ele gritou muito alto, por isso que eu coloquei uma parte da toalha em sua boca para silenciar seu ruído. Eu queimei seus órgãos genitais uma segunda vez, seu corpo se retorcia e eu estava tão enfurecido que eu fiz isso uma terceira vez consecutiva. Depois de algum tempo ele parou de respirar e caiu no chão", completou o indiano, em um relato cruel e assustador.

O pai de seis filhos, que não teve o nome divulgado para proteger sua identidade, é da região de Khajuri Khas, e foi tomado pelo espírito de vingança após ter visto sua filha sofrer em suas mãos. "Eu o matei para vingar o que ele fez com a minha filha. Ele estragou sua infância”.

Ele, então, entregou-se à polícia que o prendeu e acusou-o por assassinato. No país, o crime prevê uma pena máxima de 25 anos na prisão.

"Eu poderia ter fugido e até mesmo destruído o corpo, mas ao invés disso eu fui para a polícia depois de três horas e disse-lhes sobre o que eu tinha feito. Ele era uma mancha na sociedade e uma ameaça constante para as mulheres”, finalizou o pai da garota.

O estuprador assassinado era um inquilino do pai da menina, e supostamente atacou-a quando ele a encontrou sozinha em casa, ameaçando matá-la caso ela contasse a alguém.

Ela acabou confessando a seu pai, que guardou o segredo para si mesmo por dois meses, com medo que a revelação manchasse a honra de sua filha e de sua família.

O número de estupros relatados na Índia sobe de forma assustadora a cada ano, nos últimos cinco anos, de acordo com o Ministério do Interior do país. A frequência de relatos de ataques contra meninas com idades entre 14 e 18 anos quase triplicou nesse período.

Ativistas dizem que isso poderia ser, em parte, reduzido caso houvesse uma maior conscientização que inspire mais mulheres a denunciarem a violência sexual.

De acordo com Mandakini Surie, uma oficial sênior do programa Fundação Ásia, é preciso que muito mais seja feito no país.

"Apesar do progresso econômico rápido que a Índia tem feito ao longo da última década, continua a ser - social e culturalmente - uma sociedade profundamente patriarcal. As vítimas que relatam, enfrentam retaliações sociais, encontrando dificuldades, em muitos casos, para encontrar um emprego, casar e viver uma vida plena”, disse, comprovando que as mulheres ainda são hostilizadas na Índia, sendo necessária uma mudança na mentalidade das pessoas no país.



Clique e curta Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: Jornal Ciência