Papa dá a penúltima benção de domingo e pede "renovação" da Igreja

Papa dá a penúltima benção de domingo e pede "renovação" da Igreja

Milhares de pessoas foram à Praça São Pedro para o Ângelus

O Papa Bento XVI apareceu na janela de seus aposentos no Vaticano para abençoar os milhares de fiéis que se reuniram na manhã deste domingo (17) na Praça São Pedro, durante sua primeira bênção dominical do Ângelus desde o anúncio de sua renúncia - e a penúltima antes de sua saída, marcada para o dia 28 de fevereiro.

Bento XVI convocou a Igreja e todos os seus membros a se "renovarem" e "se reorientarem em direção a Deus, rejeitando o orgulho e o egoísmo".

?A Igreja convoca todos os seus membros a se renovarem (...), o que envolve uma luta, um combate espiritual, porque o espírito do mal quer nos desviar do caminho em direção a Deus?, afirmou Bento XVI para a multidão na Praça São Pedro.

Falando em espanhol, o Papa disse: ?Peço que vocês continuem rezando por mim e pelo próximo Papa?. Ele também agradeceu pelas ?orações e suporte que foram demonstrados? pelos fiéis.

O pontífice fez votos para que neste tempo de Quaresma a "contemplação da paixão, morte e ressurreição de Cristo nos ajude a segui-lo mais de perto".

A tradicional oração do Ângelus normalmente atrai poucos milhares de peregrinos e turistas. Entretanto, neste domingo, o caráter histórico deve aumentar o número para 150 mil pessoas, segundo a Associated Press. Moradores de diversas cidades da Itália e da Europa viajaram até o Vaticano para presenciar a benção.

Após a aparição de Bento XVI, a multidão na Praça São Pedro gritou ?Longa vida ao Papa?. Esta é uma das últimas aparições públicas de Bento XVI enquanto pontífice.

Para atender os fiéis, cidade de Roma colocou mais trens e ônibus em circulação para atender os fiéis, e está oferecendo transporte gratuito para idosos e deficientes. Chá quente gratuito também está sendo preparado para ajudar a combater o frio desta época do ano.

Às 18h deste domingo no horário de Roma (14h de Brasília) o Papa irá se retirar para a realização de exercícios espirituais que devem durar toda a semana - algo que já estava previsto para o período da Quaresma.

Sucessão

O Vaticano disse neste sábado (16) que o conclave que escolherá o sucessor do papa Bento XVI poderá começar antes de 15 de março se houver quórum de cardeais suficiente em Roma.

O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, afirmou que as regras da Igreja definem que a data dos conclaves pode ser "interpretada" diferentemente desta vez, já que se trata de uma circunstância extraordinária, após a histórica renúncia de Bento XVI.

Ele afirmou anteriormente que o conclave começaria entre 15 e 20 de março, de acordo com as regras existentes. Mas neste sábado (16), disse que os acontecimentos podem ocorrer mais rapidamente, já que a Igreja está lidando com uma renúncia anunciada previamente, e não com uma súbita morte do pontífice.

O tema está sendo debatido pelos próprios cardeais e "é possível que nossas autoridades submetam à votação este tema no mesmo dia em que começar a "sede vacante"", disse.

Os cardeais estão "profundamente afetados" após a decisão de renunciar de Bento XVI e tentam "focar o alcance e o significado deste gesto", acrescentou o porta-voz do Vaticano.

No total, 117 cardeais terão direito a voto (por terem menos de 80 anos) no conclave que elegerá, dentro da Capela Sistina, o novo Papa com uma maioria de dois terços.

O conclave que escolherá o sucessor de Bento XVI terá a participação de cinco cardeais brasileiros com direito a voto e que podem ser eleitos pontífices.

O arcebispo emérito de São Paulo, dom Claudio Hummes, terá 78 anos quando começar o processo de escolha do novo papa, marcado para a segunda metade de março. Ele será acompanhado do atual presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Raymundo Damasceno, que completa (completou) 76 anos em 15 de fevereiro e também é arcebispo de Aparecida.

Os outros três brasileiros no conclave são o prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, no Vaticano, dom João Braz de Aviz, 65; o arcebispo de São Paulo, dom Odilo Pedro Scherer, 63; e o arcebispo de Salvador e ex-presidente da CNBB, dom Geraldo Majella Agnelo, que completará 80 anos em outubro.

Fonte: G1