Com forte impacto sobre o mundo, Papa Francisco é eleito personalidade do ano pela revista ‘Time’

Com forte impacto sobre o mundo, Papa Francisco é eleito personalidade do ano pela revista ‘Time’

O padre Federico Lombardi, disse que Francisco “não procura se tornar famoso ou receber honras”.

O Papa Francisco foi eleito nesta quarta-feira personalidade do ano pela revista ?Time?. O Pontífice argentino, escolhido pelo conclave de cardeais em 13 de março, tem se destacado pela simplicidade, espontaneidade e por promover reformas consideradas revolucionárias na Igreja, se diferenciando de seu antecessor, o Papa Emérito Bento XVI.

Em seu primeiro ano na liderança da Igreja Católica, o Papa foi selecionado pela prestigiosa publicação americana como a pessoa que exerceu mais impacto sobre o mundo, para o bem ou para o mal, durante 2013. O editor-chefe da revista Nancy Gibbs destacou que Francisco mudou o tom, a percepção e o foco de uma das maiores instituições do mundo de uma forma extraordinária.

?O que torna este Papa tão importante é a velocidade com que ele tem capturado a imaginação de milhões de pessoas que tinham desistido de ter esperança na Igreja?, afirmou a revista em seu site.

Em um comunicado, o porta-voz do Vaticano, o padre Federico Lombardi, disse que Francisco ?não procura se tornar famoso ou receber honras?.

?Mas se a escolha da personalidade do ano ajuda a espalhar a mensagem do evangelho - uma mensagem do amor de Deus por todos - ele certamente vai ficar feliz com isso?, acrescentou Lombardi.

A publicação recorda a época em que Jorge Bergoglio, então arcebispo de Buenos Aires, se deslocava a pé e de metrô para visitar lugares pobres e violentos na capital. E que o argentino pedia a fiéis que rezassem por ele, da mesma forma como pediu ao mundo quando foi eleito Papa.

Um dos pontos fortes de seus quase nove meses de Pontificado foi a divulgação da Exortação Apostólica - primeiro documento exclusivamente publicado por Francisco -, detalhando como a Igreja e o próprio papado devem ser reformados para criar uma instituição mais missionária e misericordiosa, com atenção especial aos pobres.

Na semana passada, Francisco formou uma comissão especial para a proteção de crianças, vítimas de abusos sexuais, e para a luta contra padres pedófilos, retomando sua intenção de enfrentar um problema que por muitas vezes foi ocultado na Santa Sé.

Além de cumprir as tarefas burocráticas com êxito, Jorge Bergoglio é conhecido pela quebra de protocolos. Há suspeitas de que ele sai do Vaticano à noite, vestido como um sacerdote comum, para se encontrar com homens e mulheres sem-teto?. E não poupa abraços e gestos de carinho a fiéis em suas audiências na Praça de São Pedro, no Vaticano, nas quais, por muitas vezes, dispensou a segurança destinada aos antigos pontífices.

Francisco também ganhou fama pelas duras críticas à corrupção, à burguesia, à guerra e à cultura do descarte. E por adotar uma postura mais flexível em relação a temas tabus para a Igreja, como o homossexualismo, e uma linguagem mais coloquial e próxima dos fiéis.

Apesar da idade avançada - ele completa 77 anos em 17 de dezembro -, Francisco vem mantendo um ritmo acelerado desde que assumiu o trono de São Pedro. Ele se levanta às 4h30 e deita às 22h, com uma curta sesta depois do almoço. Há relatos de que ele não tem o costume de tirar férias. E isso não mudou quando assumiu a liderança da Igreja Católica. Não foi a Castel Gandolfo, a residência de verão dos papas, e só concordou em suspender audiências gerais durante julho e agosto, devido ao intenso calor romano.

Edward Snowden fica em segundo lugar

Francisco foi selecionado pela revista a partir de uma lista de dez personalidades. Depois do Papa, ficou o ex-técnico da NSA Edward Snowden, que revelou o programa secreto de espionagem do governo dos Estados Unidos.

Outros finalistas foram o ativista de direitos dos homossexuais Edith Windsor, o presidente sírio Bashar al -Assad e o senador dos EUA Ted Cruz, do Texas.

No ano passado, o escolhido foi o presidente americano Barack Obama. A revista elege a personalidade do ano desde 1927.

Fonte: O Globo