Papa liga ateus a nazistas em discurso e cria nova polêmica

Papa liga ateus a nazistas em discurso e cria nova polêmica

Discurso diante de rainha provoca críticas; em Londres, Bento XVI se encontrará com líder anglicano

O papa Bento XVI participa nesta sexta-feira (17) de um culto da Igreja Anglicana em Londres, em meio a uma polêmica provocada por um discurso em que fez uma associação entre o ateísmo e o nazismo.

Bento XVI chegou na quarta-feira ao Reino Unido para a primeira visita de Estado de um líder da Igreja Católica.

Na quinta-feira, no seu primeiro pronunciamento no Reino Unido, diante da rainha Elizabeth II em Edimburgo, Bento XVI falou sobre "uma tirania nazista que tenta erradicar Deus da sociedade".

Ele também pediu que a Grã-Bretanha evite "formas agressivas de secularismo".

"Até mesmo durante as nossas vidas, nós conseguimos lembrar como a Grã-Bretanha e seus líderes se levantaram contra a tirania nazista que queria erradicar Deus da sociedade e negava nossa humanidade comum a muitos, especialmente os judeus, que se julgava indignos de viverem", disse Bento XVI.

"Quando formos refletir sobre as lições sombrias do extremismo ateísta do século XX, nunca nos deixemos esquecer de como a exclusão de Deus, religião e virtude da vida pública leva em última instância a uma visão truncada do homem e da sociedade, e portanto uma visão reducionista das pessoas e seus destinos."

Repercussão

A Associação Humanista da Grã-Bretanha disse que as declarações do papa são "surreais".

"A noção que foi o ateísmo dos nazistas que os levou ao extremismo e a visões cheias de ódio, ou que [o ateísmo] de alguma forma alimenta a intolerância na Grã-Bretanha hoje é uma calúnia terrível contra aqueles que não acreditam em Deus", afirma a associação em uma nota.

"A noção de que são as pessoas não-religiosas no Reino Unido que hoje querem impor suas opiniões - vinda de um homem cuja organização se empenha internacionalmente em impor sua forma estreita e excludente de moralidade, além de enfraquecer os direitos humanos de mulheres, crianças, gays e muito outros - é surreal."

Diante da repercussão das declarações do papa, um porta-voz do Vaticano buscou minimizar a polêmica. Federico Lombardi disse que Bento XVI "sabe muito bem do que se trata a ideologia nazista", em referência à participação do pontífice na Juventude Hitlerista quando ele tinha 14 anos. Na época, o alistamento no grupo era obrigatório para todos os jovens alemães.

Após ser recebido pela rainha Elizabeth II em Edimburgo, na Escócia, ele rezou uma missa a céu aberto para 70 mil pessoas em Glasgow.

Bento XVI deixou a Escócia e viajou para Londres na noite de quinta-feira. Ele foi recebido pelo prefeito Boris Johnson e seguiu para a Nunciatura Apostólica de Wimbledon, onde está hospedado.

Em Londres

Nesta sexta-feira, ele vai se encontrar com cerca de quatro mil jovens da St. Mary"s University College, no subúrbio londrino de Twickenham, em um evento chamado de Grande Assembleia.

A Igreja Católica afirma que o evento é uma oportunidade para se homenagear o trabalho de mais de duas mil escolas católicas na Grã-Bretanha, que recebem apoio do Estado. Muitas pessoas já estão no local para receber o pontífice.

Cerca de cem manifestantes também estão no local com faixas de protesto contra a posição do Vaticano sobre anticoncepcionais, abusos sexuais cometidos por padres e direitos de homossexuais.

Ainda na sexta-feira, ele vai se encontrar com outros líderes religiosos britânicos, entre eles o arcebispo de Canterbury, Rowan Williams, que comanda a Igreja Anglicana.

O encontro no palácio de Lambeth, em Londres, tem um simbolismo histórico. Até o rei Henrique VIII romper as relações com o Vaticano no século XVI, o palácio abrigava arcebispos católicos. A visita do papa ao local é vista como um gesto de reconciliação entre católicos e anglicanos.

Em seguida, ele fará um discurso em Westminster Hall, para parlamentares britânicos. Acredita-se que o papa fará seu discurso mais político diante dos parlamentares e poderá fazer uma comparação entre os valores católicos e o conceito de "Grande Sociedade", do primeiro-ministro David Cameron.

Uma das políticas sociais de David Cameron, chamada de "Grande Sociedade", tem como objetivo fortalecer ações comunitárias, com estimulo a programas de voluntariado.

Bento XVI encerra o dia participando de um culto com uma serviço ecumênico na Abadia de Westminster com o arcebispo de Canterbury.

Fonte: g1, www.g1.com.br