Policiais espancaram 14 garotos para promover o movimento “limpeza gay”

Ativistas de direitos humanos disseram que a multidão arrastou os 14 homens de suas camas na capital nigeriana

Uma multidão anti-gay armada com tacos de madeira e barras de ferro assaltaram 14 rapazes ao tentar ?limpar? o seu bairro de homossexuais .


Policiais espancaram 14 garotos na Nig駻ia para promover o movimento 斗impeza gay na cidade

Ativistas de direitos humanos disseram que a multidão arrastou os 14 homens de suas camas na capital nigeriana, Abuja, antes de mandarem quatro deles para a delegacia de polícia local. Os quatro, então, supostamente, receberam socos e pontapés dos policiais, que gritaram palavrões para eles enquanto eles eram vencidos pela pancadaria.

Além disso, é alegado que os policiais que ameaçaram os homens os prenderiam por 14 anos, porque eles eram gays, sendo essa a pena máxima de prisão na Nigéria para pessoas do mesmo sexo que se relacionam (Lei Seca), apelidada de Lei do "Gay?s Jail?.

Uma vez que a legislação foi introduzida, os ativistas alertaram que poderia desencadear ataques como este, com justiça popular, uma prática comum no país mais populoso da África. Ifeanyi Orazulike, do Centre on Advocacy for the Right to Health"s, disse que recebeu um e-mail em pânico de um colega que disse que estava se escondendo de uma multidão de 40 pessoas, que estavam indo de casa em casa para ?limpar? a área de gays.

O sr. Orazulike disse que foi até a delegacia de polícia várias horas mais tarde e encontrou com um oficial superior, que ordenou que os quatro homens fossem liberados, porque não havia nenhuma evidência de que eles eram gays e que não tinha sido comprovado relações sexuais com outros homens. Outros quatro foram gravemente feridos e o restante sofreu contusões. Eles foram tratados na clínica de sua organização, porque eles estavam com medo de ir para o hospital.

As paredes das casas onde os homens viviam também tinham sido pintadas com grafite declarando ?Homossexuais, saiam".

Dezenas de pessoas, supostamente gays, foram presas desde que o presidente Goodluck Jonathan assinou o projeto de lei em janeiro. Ele não só proíbe o casamento gay, como também acarreta uma pena de prisão de 14 anos, um crime para qualquer um até que realize uma reunião que defende os direitos humanos para gays.

Sediada em Nova York, a International Gay and Lesbian Human Rights Commission condenou o ataque e disse que o governo teria abdicado da sua responsabilidade de proteger as pessoas contra a violência e impunidade.

As organizações de direitos civis vêm alertando há anos sobre um aumento da violência na comunidade após o fracasso do governo em coibir atos em que as pessoas foram espancadas até a morte por pequenos roubos.

Fonte: Jornal Ciência