Após quatro noites internado, príncipe Philipe recebe alta hoje

O duque de Edimburgo teve que passar por um procedimento cirúrgico para desobstruir uma artéria, mas passa bem

O príncipe Philip, 90, marido da rainha Elizabeth 2ª do Reino Unido, recebeu alta nesta terça-feira após ser internado na sexta-feira (23) sentindo dores no peito. O duque de Edimburgo teve que passar por um procedimento cirúrgico para desobstruir uma artéria, mas passa bem.

Ele foi internado no Papworth Hospital, em Cambridge, no leste da Inglaterra, onde a família real britânica passava as festividades do Natal.

Philip, que está há mais de 60 anos casado com a rainha, passou por exames preventivos no hospital Papworth, de acordo com a versão on-line do jornal britânico "Telegraph". A instituição é especializada em problemas cardíacos.

O palácio informou que os exames mostraram que Philip tinha uma artéria coronária obstruída, que estava causando as dores sentidas pelo duque.

O mais antigo príncipe consorte do Reino Unido, conhecido pelo seu jeito franco de falar e por seus modos às vezes bruscos, precisou ser operado para inserir um pequeno tubo para desobstruir uma artéria.

Philip ia passar o Natal com membros da família real --incluindo seu neto príncipe William e sua mulher Kate, de acordo com a mídia britânica-- na residência real de Sandringham, no leste da Inglaterra, mas perdeu as festas numa cama de hospital.

De acordo com a emissora britânica de TV BBC, o duque de Edimburgo recebeu a recomendação médica de descansar.

O príncipe Philip, que mantém uma agenda muito ativa, participando de viagens oficiais da Rainha e patrocinando quase 800 entidades, reduziu recentemente seu ritmo de trabalho.

Em 2008, o duque teve que passar por um tratamento médico devido a uma infecção no peito. Em outubro, ele teve uma forte gripe e cancelou uma visita à Itália para se recuperar. A doença veio logo depois de Philip acompanhar a rainha em uma visita intensa de 11 dias na Austrália.


Príncipe Philip recebe alta após quatro noites internado

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br