Rapaz é preso após postar fotos de meninas mortas no Facebook

Sean Duffy, um inglês de 25 anos, foi recentemente condenado a 18 semanas de prisão por crimes virtuais



Sean Duffy, um inglês de 25 anos, foi recentemente condenado a 18 semanas de prisão por crimes virtuais. O trolll declarou-se culpado por ofender e perseguir famílias de adolescentes mortas.

Duffy não conhecia nenhuma das vítimas pessoalmente. As meninas, alvos dos ataques, morreram em acidentes ou devido a doenças. Nem a dor dos familiares impediu o britânico de buscar na rede uma forma de divertimento um tanto quanto doentia. Armado somente com seu computador, Duffy postou durante meses mensagens perturbadoras, criou perfis falsos e publicou vídeos e fotomontagens em rede sociais.

A primeira ação de Duffy do tipo atacava Hayley Bates, uma menina de 16 anos que, em setembro de 2010, morreu após uma batida de carro. Após criar uma conta no Facebook em que se passava pela menina, o homem começou a publicar imagens da adolescente desfigurada e fotos do acidente. A irmã de Hayley, ao descobrir a página, tentou entrar em contato com o homem. A única resposta que recebeu dizia: "Minha irmã me adicionou. Deve ser chato na Terra sem ter alguém com quem praticar incesto. Amo você."

Um outro alvo do homem foi Lauren Drew, de 14 anos, que faleceu devido a um ataque epilético em janeiro deste ano. Duffy criou uma página no Facebook entitulada "RIP Lauren Drew", em que fazia piadas e enviava mensagens fingindo ser a própria menina. Perto do Dia das Mães, ele inclusive criou um vídeo em que um caixão desejava felicidades à mãe de Lauren.

A família e amigos de Natasha MacBryde, de 15 anos, também sofreram abusos semelhantes após a adolescente cometer suicído em 2010, ao jogar-se na frente de um trem. Da mesma forma, Duffy criou uma falsa página de tributo, e postou mensagens como "Eu dormi nos trilhos do trem" e "Peguei o trem para o céu." Além disso, o britânico também editou fotos da menina, acrescentando palavras como "prostituta" às imagens.

Os abusos de Sean Duffy trouxeram danos tambem a pessoas fora do círculo de afeto das meninas. Foi o caso de dois adolescentes, que foram erroneamente acusados dos delitos cometidos por ele. Um deles, inclusive, sofreu de overdose de drogas após ser apontado como responsável pelo vídeo e as mensagens de Dia das Mães enviadas à mãe de Lauren.

Em sua defesa, os advogados de Sean Duffy alegaram que ele é portador da Síndrome de Asperger, uma síndrome do espectro do autismo, e que, até então, tinha uma vida miserável. A defesa também adotou o uso excessivo do álcool como justificativa, dizendo que os dias de Sean Duffy limitavam-se a beber em frente ao computador.



Fonte: techtudo.com.br