Rebeldes líbios afirmam controlar pontos da cidade natal de Gaddafi

"Não há dúvida alguma que Sirte será libertada no máximo em até 48 horas", assegurou Eddine

As forças rebeldes líbias conseguiram entrar nesta terça-feira no centro de Sirte, cidade natal de Muammar Gaddafi, e controlam vários pontos considerados estratégicos, confirmou um porta-voz rebelde.

Os combatentes tomaram o controle do porto, da universidade Etthadi e da ilha de Dhoran, disse em conversa telefônica com a Efe Shams Eddine, que acrescentou que os combates, que são muito violentos, continuavam durante a manhã.

"Não há dúvida alguma que Sirte será libertada no máximo em até 48 horas", assegurou Eddine.

A entrada no centro de Sirte foi liderada por insurgentes chegados desde a vizinha localidade de Misrata, explicou o porta-voz, antes de precisar que o assalto foi lançado desde a parte oeste da cidade após um intenso bombardeio com artilharia pesada.

"Os irmãos de Misrata se transformaram em especialistas nos combates nas ruas e sua experiência nos permitiu tomar o controle de zonas importantes e de Sirte", disse.

"Dada a violência da ofensiva, os membros das brigadas pró-Gaddafi se deslocaram rumo ao leste, mas se depararam com os revolucionários que controlam essa zona e vários deles, incluído mercenários africanos, foram capturados vivos", acrescentou.

Segundo o porta-voz, um dos fatores que permitiu a entrada dos rebeldes no centro de Sirte foi a saída de centenas de famílias que conseguiram fugir através de "corredores de segurança" abertos pelos rebeldes.

A cidade natal do foragido líder líbio é assediada pelos rebeldes há várias semanas, mas o assalto final foi adiado pelo temor de que provocasse mortes entre a população civil.

Há dois dias, os rebeldes recuaram para permitir que os aviões da Otan atacassem as posições das forças pró-Gaddafi, assim como dos depósitos de armas e munição.

"Os ataques da Otan e os incessantes bombardeios das últimas horas debilitaram a resistência das forças do antigo regime e provocaram o pânico entre suas fileiras", explicou o porta-voz.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br