Reino Unido pode impor restrições para vistos a brasileiros, diz jornal

O "Financial Times" afirma que o plano de May põe o Reino Unido na contramão de medidas adotadas por outros países

O Reino Unido estaria em vias de endurecer as regras de concessão de vistos para brasileiros, segundo informações publicadas na edição desta terça-feira (5) do jornal "Financial Times".

De acordo com o diário, a ministra do Interior britânica, Theresa May, deve propor hoje um fim ao acordo atualmente em vigor que permite a brasileiros permanecer até seis meses no Reino Unido sem visto.

O "Financial Times" afirma que o plano de May põe o Reino Unido na contramão de medidas adotadas por outros países, como os Estados Unidos e a Austrália, que estariam afrouxando restrições de vistos a brasileiros a fim de estimular o turismo e os negócios.

Segundo o jornal, May quer coibir a entrada de imigrantes ilegais brasileiros no Reino Unido, mas a proposta da ministra do Interior contaria com a oposição de outros ministros do governo, que temem que, se adotada, ela poderia abalar as relações britânicas com o Brasil, que vinha sendo visto pelo premiê David Cameron como país-chave em termos de relações comerciais com o Reino Unido.

Entre os que se opõem à possível medida estariam o ministro de Relações Exteriores britânico, William Hague, e o ministro das Finanças, George Osborne.

Outra fonte entrevistada pelo diário afirmou que May peca por uma postura ""mão pesada"" pela imposição de vistos e que ela mostrou ""não entender"" a repercussão para o comércio com as nações do bloco Brics (formado pela Rússia, Índia, China e África do Sul).

O ministério do Interior também vinha sendo criticado pelos complicado processo de obtenção de vistos por turistas chineses.

O jornal diz que dados de 2011 do Ministério do Interior colocam o Brasil no quinto lugar da lista dos dez países que mais oferecem imigrantes ilegais para o Reino Unido; cerca de 2 mil brasileiros são extraditados do Reino Unidoa anualmente.

Robert Halfon, líder conservador do grupo suprapartidário Commons Brazil, que visa a firmar laços entre parlamentares britânicos e congressistas brasileiros e discutir temas de interesse mútuo, afirmou ao Financial Times que a medida seria ""um grande passo para trás""", que provocaria o antagonismo de um país que está se tornando ""uma das mais importantes nações do mundo"".

Tanto o primeiro-ministro David Cameron como o vice-primeiro-ministro Nick Clegg já visitaram o Brasil. No ano passado, durante sua visita ao Rio e a São Paulo, Cameron estava acompanhado de 58 empresários.

""Não adianta o primeiro-ministro excursionar pelo mundo dizendo "A Grã-Bretanha está aberta para negócios, vocês são bem-vindos aqui", se seus ministros estão minando-o em todas as suas ações e tornando a mais difícil para que turistas de negócios venham aqui. É absolutamente vital manter a porta aberta para o Brasil e não fazer algo que desestimule o comércio entre os dois países"", afirmou Halfon.

Fonte: UOL