Revista francesa publica charges do profeta Maomé

Governo francês reforça segurança em representações diplomáticas no mundo muçulmano.

A revista semanal satírica "Charlie Hebdo" publicou mais uma vez charges do profeta Maomé, em uma decisão criticada por autoridades francesas, que enviaram a polícia para proteger os escritórios do semanário. A capa da nova edição, que foi às bancas nesta quarta-feira, mostra um judeu ortodoxo empurrando uma figura de turbante em uma cadeira de rodas e várias caricaturas do profeta, incluindo algumas em que ele aparece nu.


Revista francesa publica charges do profeta Maomé

A publicação acontece em meio a indignação generalizada sobre o filme anti-Islã "Inocência dos muçulmanos", postado na internet. O chanceler francês Laurnte Fabius criticou a decisão da "Charlie Hebdo" e disse que ordenou que a segurança fosse reforçada em escritórios diplomáticos franceses em todos os países com população muçulmana. Na próxima sexta-feira - dia de orações e de protestos no mundo árabe - as embaixadas, escolas e consulados franceses serão fechadas em ao menos 20 países para evitar distúrbios.

Fabius ressaltou que, mesmo que a França respeite o direito à liberdade de imprensa, não é inteligente que meios de comunicação se utilizem de polêmicas no atual contexto. Em nota, o primeiro-ministro francês, Jean-Marc Ayrault, reprovou a divulgação das caricaturas, fez um apelo por ?um sentido de responsabilidade de todos? e considerou as charges "uma provocação".

A polícia reforçou a segurança nos arredores da redação da "Charlie Hebdo", que foi atacada em novembro do ano passado, após a publicação de outra caricatura de Maomé. Desde o incidente, o diretor da revista, que se identifica apenas como Charb, e um cartunista, chamado como Luz, vivem sob proteção judicial.

Em resposta a críticas sobre a divulgação das caricaturas, Charb falou sobre liberdade de expressão e disse a questão da representação de Maomé tem que ser abordada.

- Se não levantarmos a questão sobre se temos o direito de desenhar Maomé ou não, sobre se é perigoso fazê-lo, a questão que virá depois é se podemos falar dos muçulmanos na mídia (...). No final, naõ poderemos fazer mais nada e um punhado de extremistas que protestam na França e pelo mundo terá ganhado - disse o editor.

A publicação já gera críticas na comunidade islâmica francesa. Mohammed Moussaoui, presidente do Conselho Francês de Fé Muçulmana, disse que há um sentimento de "indignação" entre os fiéis e que as charges "insultam o profeta do Islã".

Em 2005, caricaturas dinamarquesas do profeta provocaram uma onda de protestos violentos em todo o mundo muçulmano, matando pelo menos 50 pessoas. Para o Islã, qualquer representação de Maomé é considerada um pecado, ainda mais as insultuosas.

Fonte: G1