Sobrevivente do Bataclan também escapou do 11 de Setembro

É a segunda vez que ele sobrevive a um ataque terrorista

Image title

O norte-americano identificado como Matthew, 36 anos, que escapou do ataque terrorista à casa de shows Bataclan, em Paris, no dia 13 de novembro, é também um sobrevivente no dia 11 de setembro, em Nova York (EUA).

Matthew levou um tiro no perna durante o ataque na Boate e fingiu está morto. Homens armados entraram no Bataclan atirando no momento em que a banda Eagles of Death Metal fazia um show. Ele conseguiu se esconder enquanto os atiradores recarregavam as armas.

Um jornalista do jornal francês "Le Monde" e um outro homem encontraram Matthew.

"Estava me fingindo de morto. Quando senti alguém me puxando pelos braços, nem olhei para cima. Eu disse, pelo menos na minha cabeça: Eu te amo, meu anjo."

O jornalista Daniel Psenny estava em seu apartamento, de onde gravava imagens das pessoas saindo desesperadas do local, e conseguiu colocar Matthew em segurança, mas também foi atingido por um dos tiros ao fazer isso.

"Tive o reflexo humano de não deixar alguém morrer na minha frente, mas foram as circunstâncias que permitiram isso", ele disse.

Mattew também estava na rua do World Trade Center em Nova York quando um avião da United Airlines bateu em uma das Torres Gêmeas. Essa é a segunda vez que ele escapa de um incidente brutal.

"Eu corri por meia Manhattan, mas o que passei no Bataclan foi mil vezes pior", ele diz. Ao menos 89 pessoas foram mortas ali pelos terroristas. Os atentados em Paris fizeram 130 mortos e deixaram mais de 350 feridos.

Matthew ficou com o jornalista Psenny em seu apartamento por horas até que a polícia autorizasse os vizinhos da casa de shows a saírem. Os dois, feridos, foram levados de ambulância até o hospital George Pompidou.

A mulher de Matthew teria ido ao show com ele, mas o casal não conseguiu contratar uma babá para aquela noite.

Assim que estiverem recuperados, Matthew e seu salvador já prometeram que se encontrarão para fazer um brinde à vida.

Fonte: uol