Trabalhador mortuário afirma ter relações íntimas com cadáveres de mulheres

Ele afirma que foi “forçado” por seus chefes, dizendo que a necrofilia era uma das formas usadas para que os funcionários não tivessem medo de trabalhar com cadáveres

Um trabalhador em Gana admitiu na TV, ao vivo, que já teve relações sexuais com cadáveres a pedido de seus superiores.

No vídeo divulgado que causou revolta nos internautas, Sharkur Lucas alega ter trabalhado em um necrotério em Korle Bu Teaching Hospital, na capital Accra, onde ele diz que teve relações sexuais com os corpos de mulheres que haviam falecido a pouco tempo.

Ele afirma que foi “forçado” por seus chefes, dizendo que a necrofilia era uma das formas usadas para que os funcionários não tivessem medo de trabalhar com cadáveres.

O apresentador ficou chocado com as declarações e prosseguiu perguntando como Lucas conseguia praticar relações íntimas com mulheres que já haviam morrido.

Lucas tentou rebater afirmando que quando se entra em algum trabalho mortuário, os funcionários recebem vários treinamentos, orientando sobre as atitudes que devem tomar. “Eu tive que dormir ao lado de um corpo morto, para que eu não tivesse medo”, disse. “Uma vez que você já fez isso, não terá medo novamente”.

Ele afirma ainda, de forma absurda, que não vê problema em se satisfazer usando “as meninas do necrotério”, pois segundo ele, as “mulheres vivas” não querem casar ou namorar com ele por ser um trabalhador mortuário.

“Eu posso me satisfazer no necrotério”, afirmou de forma polêmica.

Lucas foi imediatamente demitido e a polícia está com um mandado para prendê-lo.

Clique aqui e curta o Meionorte.com no Facebook

Fonte: Jornal Ciência