Turista dinamarquesa sofre estupro coletivo e alemã é abusada em trem

Agressões sexuais coletivas têm se tornado cada vez mais comuns no país

Uma turista dinamarquesa denunciou que foi estuprada por oito homens em Nova Délhi, enquanto uma voluntária alemã também apresentou uma denúncia por agressão sexual em um trem no sul da Índia, informou nesta quarta-feira (15) a polícia.

A mulher dinamarquesa, de 51 anos, denunciou que foi agredida, roubada e estuprada na terça-feira (14) por um grupo de oito homens no centro da capital indiana, disseram fontes policiais à emissora NDTV.

Segundo o relato da turista, um grupo de homens a levou para um local isolado onde a estupraram depois que ela havia pedido informações aos mesmos sobre a localização de seu hotel, após se perder na zona comercial de Connaught Place, no coração de Nova Délhi.

Os agressores também levaram dinheiro e um tablet da mulher, segundo a denúncia. Após a violência sexual, a dinamarquesa conseguiu chegar ao hotel na área de Paharganj, uma região frequentada por mochileiros e turistas, e o diretor do mesmo chamou à polícia.

As forças de segurança indianas estão interrogando 15 suspeitos pela agressão sexual, segundo a NDTV.

Em outro caso parecido, uma voluntária alemã de 18 anos denunciou que foi estuprada em um trem que se dirigia à cidade de Chennay, no estado de Tamil Nadu, no sul do país.

De acordo com as fontes policiais citadas pela NDTV, o estupro ocorreu à 0h do dia 10 de janeiro quando a jovem dormia, mas ela não denunciou os fatos até a última segunda-feira (13).

Na última terça-feira (14), as forças de segurança detiveram um suspeito relacionado com o caso. "Detivemos um homem acusado de estupro. A jovem necessitou de vários dias para criar coragem e informar à polícia", disse hoje à NDTV a inspetora geral de polícia de Chennay, Seema Agarwal.

Nos últimos meses, foram divulgados vários casos de agressões sexuais contra mulheres estrangeiras na Índia. No ano passado, uma jovem irlandesa de 21 anos que realizava trabalho humanitário em Calcutá foi dopada e estuprada por um empresário local.

Em meados de março desse mesmo ano, uma turista suíça sofreu abuso de seis homens. Naquele mesmo mês, uma jovem britânica se jogou pela janela do hotel para escapar do assédio de funcionários do estabelecimento.

Em dezembro, o homem que estuprou uma espanhola em novembro de 2012 na cidade de Bombaim foi condenado à prisão perpétua por um tribunal.

O estupro coletivo de uma jovem indiana em dezembro de 2012 gerou um debate sem precedentes sobre a situação da mulher no país e levou o Parlamento Nacional a aprovar, em março de 2013, uma lei para endurecer as penas contra agressores sexuais.

Fonte: r7