Turistas brasileiras têm compras, malas e passaportes furtados em hotéis de Orlando

Em 2014 já foram notificados 223 casos de furtos, o que dá uma média de um furto por dia


A brasileira Adriana Barcelar, de São Paulo, levou um susto ao voltar de um passeio aos parques temáticos de Orlando, na Flórida, Estados Unidos, no último dia 15. Ao chegar ao hotel na companhia de uma irmã e duas amigas, viu que o quarto havia sido arrombado. As gavetas estavam todas reviradas e para fora da cômoda, as malas jogadas no chão. O cofre havia sido aberto e dinheiro e passaportes foram levados. E duas malas cheias de compras tinham sido levadas.

"Roubaram todo o nosso dinheiro, além de tudo o que eu e minha irmã já tinhamos comprado", disse Adriana. Ela postou as fotos do quarto do hotel todo revirado. E logo passou a receber comentários de outros brasileiros que também passaram por situação semelhante em outros hotéis. O Consulado-Geral do Brasil em Miami informou que registra "com frequência" relatos de turistas brasileiros que tiveram pertences e documentos furtados.



Segundo o consulado, em 2011 foram registrados 126 casos de furtos a brasileiros. Em 2012, 117 casos e, em 2013, 224 ocorrências, e este ano, até esta terça-feira (23), já foram notificados 223 casos de furtos, o que dá uma média de um furto por dia. Do total de vítimas, 133 tiveram seus veículos arrombados.

Adriana conta que se hospedou em um quarto no térreo, junto ao estacionamento do hotel, o que pode ter facilitado a ação do invasor. "Ficamos só com US$ 200 para mais três dias de viagem", afirmou Adriana. As vítimas chamaram a polícia que fez um boletim de ocorrência no local. O hotel, segundo Adriana, disse que não se responsabilizava pelos pertences dos hóspedes e deu US$ 100 para as brasileiras. Adriana relata ainda que tiveram de viajar até Miami com o carro alugado para registrar a queixa e conseguir a autorização para voltar ao Brasil sem os passaportes.

Outra brasileira, Lucila Santos, de São Caetano do Sul (SP), viajou para Orlando de 3 a 19 deste mês com os filhos e uma amiga. Eles se hospedaram em um hotel perto do parque Universal Studios, mesma região onde Adriana se hospedou. No sétimo dia, a família foi a um shopping e voltou ao hotel. Viram a luz do quarto acesa e acharam os pertences revirados. O quarto da amiga que ficava conjugado ao dela também estava revirado e com um bilhete "procure a recepção".

O hotel solicitou que as brasileiras fizessem uma relação do que foi roubado e alegaram que tudo já havia sido fotografado. Todas as compras foram levadas, além de uma mala do filho dela. A família teve dinheiro, compras e as roupas que haviam levado do Brasil furtados. "O hotel disse ter vídeo de uma pessoa saindo do quarto e mostrou à polícia, mas não mostrou para a gente", afirmou.

"Disseram que é uma pessoa que tem um problema na perna e que já foi vista em furtos de outros hoteis." A brasileira disse ainda que no dia do roubo o carro apareceu com o pneu rasgado no estacionamento do hotel e ela teve de trocar de carro na locadora. "A gente sai de um sonho e entra diretamente no pesadelo", disse.

Um advogado foi acionado para que as turistas sejam ressarcidas pela seguradora do hotel.

Furtos aumentam

O Consulado-Geral do Brasil em Miami informou que "a incidência é pequena em face do volume absoluto de visitantes brasileiros na Flórida: 1,5 milhão de turistas brasileiros em 2011; 1,6 milhão em 2012; e 1,7 milhão em 2013; segundo dados da "Visit Florida".

Segundo o Consulado-Geral, os lugares em que furtos ocorrem com maior frequência são aqueles de grande concentração de pessoas, como parques temáticos e atrações turísticas, hotéis e grandes centros de compra. Neste último caso, são comuns as ocorrências em que cidadãos brasileiros têm furtados seus pertences deixados dentro de veículos de aluguel, estacionados ao ar livre ou em estacionamentos pagos.

Dicas do Consulado do Brasil para prevenir-se de furtos: - Estacione seu veículo em local seguro. - Jamais deixe pertences no veículo (como passaportes, sacolas de compras, produtos eletrônicos). - Na praia, não deixe seus pertences desacompanhados. - Não entregue seus pertences a estranhos (ex: ao experimentar roupas em lojas de vestuário, não permita que o vendedor guarde seus pertences). - Fique ainda mais atento em locais movimentados e frequentados por turistas, como centros de compras, hotéis, parques temáticos e estacionamentos (pagos ou não). - Tome os mesmos cuidados que você tomaria em qualquer outro grande centro urbano. - Para sua segurança, mantenha cópias, em meio eletrônico ou com parentes no Brasil, de documentos importantes, como passaporte e carteira de identidade. As cópias poderão eventualmente dinamizar o processo de obtenção de documento de viagem em caso de furtos.

Em caso de furto: - Contatar a polícia local a fim de registrar queixa ("file a report"). - Contatar o Consulado-Geral em Miami a fim de comunicar o ocorrido, em especial em caso de perda de documentos. - Tão logo regresse ao Brasil, comunique o fato também às autoridades policiais brasileiras e aos órgãos emissores dos documentos furtados.

Contatos: Consulado-Geral do Brasil em Miami - Setor de Assistência a Brasileiros Tel. ++ 1 305-285-6251 / 305-285-6208 / 305-801-6202 e 305-801-6201 E-mail: [email protected] Site: miami.itamaraty.gov.br

'Comecei a chorar', diz brasileira furtada em quarto de hotel da Disney

A advogada Nathalya Godoy, de 27 anos, teve uma crise de choro na semana passada quando chegou ao quarto do hotel Disney's All-Star Sports Resort, onde estava hospedada com o marido, Igor Godoy, e encontrou a porta encostada e as malas do casal abertas. Eles foram vítimas da onda de furto em hotéis de Orlando, nos Estados Unidos.

No caso de Nathalya e Igor, o furto aconteceu dentro do complexo de hotéis da Disney. Câmera fotográfica, relógios, roupas, perfumes que eles tinham comprado nas lojas de Orlando, nos Estados Unidos, foram furtados. O que o ladrão não quis levar, como roupas de bebê, roupas femininas e uma boneca da Maggie Simpson, ficou jogado no chão do quarto. "Quando voltamos do Epcot Center, onde comemoramos um ano de casados, vimos que a porta estava encostada. Acendemos e vimos as roupas reviradas, malas abertas, cadeados abertos, zíper aberto, e muita coisa tinha sido levada", relata Nathalya. "Comecei a chorar desesperada. Eu estava transtornada."

O casal de Brasília foi falar com a gerência do hotel. Segundo Nathalya, o gerente disse que a mala era "muito vulnerável", e que não havia nada que o hotel pudesse fazer. "Nos deram US$ 130 e nos mudamos para o quarto de outro hotel do complexo, já que o nosso estava lotado", disse Nathalya.

Procurada, a assessoria de imprensa da Disney no Brasil disse que a empresa não iria comentar o caso.

A jovem lembra que o quarto em que ficaram era o último do corredor, ficava no térreo e dava de frente para uma mata. "Nenhum hóspede passaria por ali", afirmou. Os brasileiros chamaram a polícia, que fez o "report" (boletim de ocorrência) no local. O casal também entrou em contato com o sistema de reclamação do cliente da Disney.

"Estamos aguardando a resposta deles para ver que providências vamos tomar", disse a advogada. "Queremos ter ressarcido os nossos bens materiais, já que os morais não tem como." Nathalya disse que passaporte e dinheiro não foram roubados porque naquele dia o casal levou tudo com eles para o parque. "Levamos o passaporte caso pedissem a nossa identidade na hora de tomarmos um vinho para celebrar o nosso aniversário de casamento", justificou. "Ficamos muito chateados com o que aconteceu. Traumatizados. Vai ser difícil esquecer o que a gente passou", disse Nathalya.




Fonte: G1