Internauta diz que recebeu dezenas de mensagens de ‘parabéns’ por aniversário de estupro

Na época, Viviane não denunciou o crime à polícia.

Depois de publicar, no início da semana, um doloroso depoimento no Facebook sobre o estupro que teria sofrido no dia 12 de fevereiro de 2005, a internauta Viviane Teves disse que começou a receber mensagens cruéis de “feliz aniversário” nesta quinta-feira, dia em que o ataque completaria dez anos.

“Desde meia-noite eu tenho recebido mensagens no meu WhatsApp. Mais de 40. Descobriram meu número e jogaram em um grupo de zoeira para pessoas aleatórias me zoarem. Todas me parabenizando por esta data e desejando que aconteça novamente”, relatou a moradora de São Paulo em seu perfil.

Viviane era administradora da página “Humor Negro”, no Facebook, extinta em 2012 e, antes disso, de uma comunidade de mesmo nome no Orkut, criada em 2004. Os autores do cyberataque, segundo ela, são antigos membros dessas redes, que desejam puni-lapor ter deletado as páginas das quais eram fãs.

Hoje coordenadora de mídias sociais do projeto de educação Eduk, Viviane também estaria recebendo montagens ofensivas de fotos suas com xingamentos. Ela registrou os números de telefones, perfis e mensagens dos autores e comunicou que está a procura de advogados para que possa processar assediadores. A internauta pretende denunciar o caso à Delegacia de Delitos Cometidos por Meios Eletrônicos.

“E se eu não fosse forte? E se eu não aguentasse e tentasse o suicídio? Teríamos mais um caso de suicídio por cyberbulling? (...) As pessoas pensam nas consequências de seus atos?”, questionou a jovem na web.

Viviane faz parte de um grupo da rede WhatsApp composto por ex-seguidores da página “Humor negro”. Nesta quinta pela manhã, o nome do grupo foi alterado para “Vivi. 10 anos de estupro”. Junto a isso, foi publicada uma mensagem convocando internautas a enviar “parabéns” à vítima da violência sexual:

“Hoje é um dia muito especial. Faz dez anos que nossa querida Vivi Teves foi estuprada e depois desse diz ela nunca mais foi a mesma. Até hoje ela está brincando de DJ e esperando um novo estupro. Então desejem parabéns a ela, afinal, não se faz dez anos todo dia”, dizia o anúncio na web.

A administradora do grupo, do Mato Grosso do Sul, irritou-se com a repercussão do caso:

- Não falei nada de ofensivo para ela. Mas ela não faz uma página de humor negro? Então tem que aguentar - disse a garota, antes de desligar o telefone na cara do repórter.

ASSOMBRAÇÕES DO PASSADO

Viviane explicou que os antigos fãs da página “Humor Negro” a atacam frequentemente para forçar que ela volte com a página, que fazia “piadas com tragédias”, segundo a própria moderadora. Mas essa foi a primeira vez que usaram o caso de estupro como munição, já que a criadora da comunidade ainda não havia falado publicamente sobre o incidente até recentemente.

- Eu não quero voltar. Eu cresci. Quero focar no lado profissional. Não sou mais adolescente. Então toda vez que eu falo que não vou voltar, eles me atacam assim - contou a paulistana, por e-mail.

Segundo a especialista em mídias sociais, os antigos membros da comunidade já ameaçaram seu filho, de 13 anos, de sequestro, fizeram montagens de cunho sexual com suas fotos e atrapalharam sua vida profissional ao inventar boatos.

- Até que simplesmente fizeram um grupo no Facebook, conhecido como “Máfia da Barba”, e disseminaram meu telefone, pedindo para que os membros me mandassem parabéns pelo estupro - contou Viviane. - Eu sou forte hoje. Mas, na época, tentei suicídio.

Viviane reconheceu que errou ao criar uma página que era usada para fazer piadas com acidentes, doenças e outras tragédias, mas, para ela, o massacre que está sofrendo não tem justificativa.

- Se os erros do meu passado estão caindo sobre mim? Talvez... Mas ainda acho que nada disso justifica.

RELATO DE VIOLÊNCIA

Num texto divulgado em sua página no Facebook na última segunda-feira, Viviane relatou o estupro sofrido, na esperança de que seu relato desse força a outras jovens que passaram pela mesma situação.

“Eu relembro o rosto, eu relembro o ato, eu relembro o dia, a dor, a droga na minha bebida, a roupa rasgada, o dinheiro roubado, o carro batido. E foi apenas passar por um lugar próximo do que aconteceu que tudo voltou a tona”, recordou Viviane.

Em outro trecho do depoimento, a sobrevivente contou que até hoje sofre com as lembranças, mas que, com o apoio da família, dos amigos e do namorado, está conseguindo superar, dia após dia, violência que sofreu.

“Hoje em dia tantas pessoas passam por isso (o que é horrível) e conseguem lidar. Eu consegui, do meu jeito. Não tenho problemas em falar isso publicamente, eu acho que esse é o tipo de assunto que todos devem saber. Todos devem se conscientizar”, afirmou.

De acordo com a coordenadora de mídias sociais, o estuprador era um falso vidente, que a abordou no terminal rodoviário do Centro de São Paulo.

- Ele disse que ia fazer a pessoa de quem eu gostava se apaixonar por mim e me levou a uma padaria. Eu era uma menininha inocente e acreditei - lembrou.

O homem teria drogado a adolescente e a levado para um motel, onde a teria estuprado, roubado seu dinheiro e sua máquina fotógrafia, que teria usado para tirar fotos da vítima nua.

- Eu não conseguia fazer nada, a não ser sentir tudo. Não me mexia, não conseguia falar, só chorar. Ele fez tudo que quis.

Na época, Viviane não denunciou o crime à polícia.

Fonte: O Globo