Investigadores dizem não ter sinal de caixas-pretas

As caixas-pretas podem estar em uma profundidade muito elevada

Os investigadores que analisam as causas do acidente com o avião da Air France disseram nesta quarta-feira que cerca de 400 restos da aeronave foram encontrados, mas ainda não se sabe onde estão as caixas-pretas. O diretor do Escritório de Investigação e Análise francês (BEA), Paul-Louis Arslanian, explicou que os restos são de tamanhos muito diferentes e que o local no qual foram encontrados está sendo analisado para descobrir onde estão as caixas-pretas.

Encontrá-las é a atual prioridade dos investigadores, afirmou Arslanian, lembrando que, depois de 30 dias, os emissores de sinais sonoros das caixas-pretas deixarão de funcionar. Por isso, o BEA relatou que as buscas ocorrem em uma zona de 80 km de raio. Nessa região trabalham dois rebocadores equipados com sensores acústicos emprestados pelas Forças Armadas dos Estados Unidos e o submarino nuclear "Emeurade".

Arslanian assegurou que as caixas-pretas podem estar em uma profundidade muito elevada ou em uma das colinas do sistema montanhoso submarino existente na região. Segundo o diretor do BEA, caso os sinais sonoros não sejam detectados, "as esperanças de encontrar as caixas-pretas e o avião cairão muito".

Arslanian declarou, no entanto, que a investigação do acidente "se aproxima do objetivo" de encontrar as causas da catástrofe. "Não digo que será um trabalho fácil, mas afirmo que fazemos o máximo. Dado o trabalho feito até agora, acho que estamos nos aproximando do objetivo", assegurou Arslanian.

O diretor do BEA lembrou que o órgão ainda não recebeu os resultados das autópsias feitas no Brasil com os corpos recuperados no mar. Ele assegurou que legistas franceses participaram das autópsias, mas a presença do médico especialista enviado pelo BEA não foi autorizada.

O responsável pela investigação disse que o resultado dessas autópsias é "importante" para a investigação e que, por isso eles foram pedidos às autoridades, mas afirmou que desconhece se terá acesso a essa informação.

De acordo com Arslanian, suas equipes trabalham na análise dos restos do avião encontrados, reunidos em um hangar do Recife.

O acidente

O Airbus A330 saiu do Rio de Janeiro no domingo (31), às 19h (horário de Brasília), e deveria chegar ao aeroporto Roissy - Charles de Gaulle de Paris no dia 1º às 11h10 locais (6h10 de Brasília).

De acordo com nota divulgada pela FAB, às 22h33 (horário de Brasília) o vôo fez o último contato via rádio com o Centro de Controle de Área Atlântico (Cindacta III). O comandante informou que, às 23h20, ingressaria no espaço aéreo de Dakar, no Senegal.

Às 22h48 (horário de Brasília) a aeronave saiu da cobertura radar do Cindacta, segundo a FAB. Antes disso, no entanto, a aeronave voava normalmente a 35 mil pés (11 km) de altitude.

A Air France informou que o Airbus entrou em uma zona de tempestade às 2h GMT (23h de Brasília) e enviou uma mensagem automática de falha no circuito elétrico às 2h14 GMT (23h14 de Brasília). A equipe de resgate da FAB foi acionada às 2h30 (horário de Brasília).

Fonte: Terra, www.terra.com.br