Israel faz ofensiva simultânea por terra e ar contra milícias palestinas na Faixa de Gaza

Israel também usa helicópteros e ataca mesquita no norte de Gaza

Tanques israelenses que cercam a Faixa de Gaza abriram fogo neste sábado (3) contra o território pela primeira vez desde o início da ofensiva militar há oito dias. A operação ocorre a menos de 24 horas da morte de um dos líderes militares do Hamas, Abu Zakaria al-Jamal. Por enquanto, não há informação de que tenha havido invasão por terra.

Os alvos dos disparos foram diversas posições no norte de Gaza, uma área que os milicianos palestinos costumam utilizar para lançar foguetes contra território israelense.

Segundo informações oficiais, os tanques dispararam de Israel, a uma distância de aproximadamente 500 metros da fronteira com a Faixa de Gaza.

Porta-vozes militares de Israel em Jerusalém disseram que a operação prosseguiria ao longo do dia. O jornal israelense ?Haaretz? também noticiou a ofensiva terreste.

<b>"Prenúncio"</b>

Segundo redes de TV israelenses, o ataque "poderia ser o prenúncio" de uma invasão terrestre a Gaza, que há dias permanece cercada por centenas de tanques israelenses.

Nos últimos meses, tanques israelenses abriram fogo contra Gaza várias vezes. Mas os disparos deste sábado foram os primeiros do tipo no âmbito da atual ofensiva de Israel à faixa territorial palestina

A imprensa israelense afirmou ainda que duas pessoas ficaram feridas após disparos de foguetes lançados da Faixa de Gaza.

<b>Mortes</b>

Pelo menos seis pessoas morreram e dezenas ficaram feridas no bombardeio que helicópteros Apache israelenses lançaram neste sábado contra uma mesquita na localidade de Beit Lahiya, no norte da Faixa de Gaza, informaram fontes médicas palestinas.

A força aérea israelense lançou pelo menos três bombas sobre a maior mesquita da localidade. Por conta da ofensiva, ambulâncias não conseguem se aproximar para ajudar os feridos.

Os mortos e feridos na Faixa de Gaza chegaram até o oitavo dia da ofensiva israelense a 441 e 2.285, respectivamente, segundo fontes oficiais no território palestino.

Entre os mortos há pelo menos 75 crianças e 37 mulheres, disse neste sábado o chefe dos serviços de emergência de Gaza, Moaweya Hasanien. Em relação aos feridos, pelo menos 40% são civis, acrescentou.

Fonte: g1, www.g1.com.br