Jovem diz ter sido torturada e teve o cabelo raspado por sequestradores

A vítima acusa dois homens e uma mulher de sequestrá-la, amarrá-la, agredi-la e torturá-la por quatro dias.



Uma jovem de 20 anos, que estava desaparecida desde segunda-feira (11), em São Carlos (SP), foi encontrada na tarde de sexta-feira (15) abandonada em um terreno baldio com ferimentos e a cabeça raspada. Ela diz que recebeu uma proposta de trabalho em Americana, mas depois se recusou ao descobrir que teria que se prostituir. A vítima acusa dois homens e uma mulher de sequestrá-la, amarrá-la, agredi-la e torturá-la por quatro dias. A Polícia Civil está investigando o caso, mas ainda não tem suspeitos do crime.

A mulher foi encontrada pela família em um terreno baldio do Jardim Tangará. Segundo ela, um homem de aproximadamente 50 anos foi até a casa da família com uma promessa de trabalhar em uma confecção de roupas em Americana. A jovem aceitou e os dois viajaram. No caminho, ela viu placas que indicavam que estavam em Campinas. ?Ele entrou em uma estrada de terra e comecei a ficar desconfiada. Ele me deu uma coronhada e apaguei?, disse.

Prostituição

Em um local ainda desconhecido ela disse que o homem explicou que ela deveria se prostituir. Ele estava com outro homem e uma mulher. ?Ele falou que ia me vender para outro homem, que ia me prostituir para ganhar dinheiro para eles. Eu neguei, tentei fugir, entrei no meio do mato, mas não sabia onde eu estava. Eles conseguiram me pegar, me amarraram e me bateram. Foram quatro dias de terror, não desejo isso nem para o meu pior inimigo?, disse.

A vítima ainda contou que ficou sem tomar banho e sem se alimentar em um quarto escuro. Ela disse que levou chutes, socos, tapas das três pessoas. ?Ela tinha o cabelo grande até o ombro e rasparam. No meio passaram a máquina zero, porque ficou baixinho?, disse a auxiliar de produção Terezinha Vieira Maia, vizinha da família.

A jovem explicou que o homem que fez a proposta disse que já tinha intenção de obrigar outras moças de São Carlos e de Barra Bonita a se prostituir. ?Ele já conversou com elas e vai atrás. Vai fazer a mesma coisa com as outras meninas. Isso para ele é fichinha?, afirmou.

Desaparecimento

A família não conseguiu mais contato com a jovem e registrou um boletim de ocorrência de desaparecimento. Os pais chegaram a espalhar cartazes pela cidade com fotos da jovem.

Terezinha disse que recebeu uma ligação dos suspeitos pedindo R$ 10 mil para liberar a jovem. ?Eu fui explicar para ele que ela era pobre, mas ele desligou o telefone. Depois eu retornei, ele disse que não tinha nada a perder. Ele me deixou falar com ela, que chorava desesperada. Depois ele falou que ia liberar e recebemos uma ligação que ela estava no Tangará. Trouxemos ela para casa e chamamos o Samu?, disse.

A filha de Terezinha também recebeu o convite do mesmo homem, que sempre apresentava com um cartão e dizia ser dono de uma confecção. ?Também teve outras moças. Ele pagaria R$ 1,8 mil, levaria na segunda e traria no sábado. Elas iriam dobrar camisetas e sair entregando nas lojas da região de São Carlos, Campinas e Limeira. Minha filha recusou porque tem uma filha de 3 anos e não daria para ir?, explicou.

Investigação

A família registrou um boletim de ocorrência na sexta-feira (15) e a jovem fez exame de corpo delito. O delegado de plantão, Geraldo Souza Filho, informou que o caso deve ser apurado com cuidado, pois considera suspeita a versão apresentada pela vítima. Por enquanto ninguém foi preso.

Fonte: G1