Jovens fazem cortes na pele como efeito da depressão,diz estudioso

Jovens fazem cortes na pele como efeito da depressão,diz estudioso

Especialista diz que o problema da automutilação atinge, principalmente, adolescentes

Provocar cortes no próprio corpo é uma alternativa dolorosa encontrada por jovens e adolescentes para expressar problemas emocionais, mas nem sempre pais e familiares estão atentos aos sintomas do distúrbio e nem sequer sabem que se trata de uma doença psicológica que tem tratamento. O problema foi chamado no Brasil de ?escarificação?. Em inglês, ganhou o nome de ?cutting?, que significa corte.

Os casos de pessoas que provocam ferimentos nas pernas, braços ou barriga ficaram conhecidos depois que famosos expuseram o drama nas redes sociais. Paris, a filha mais velha de Michael Jackson, chegou a ser internada em um hospital, em junho do ano passado, depois de cortar os pulsos. A menina, de 15 anos, passa por tratamento de uma profunda depressão. Antes do estopim, já dava sinais de que algo não ia bem. Ela chegou a postar fotografias em que pessoas se cortavam ou provocavam situações de sofrimento a si mesmas.

A cantora teen Demi Lovato também expôs as dificuldades que enfrenta desde o início da adolescência. Ela sofria de depressão e passou a provocar ferimentos nos braços e até no rosto como forma de autopunição. Depois da exposição, a ?escarificação? deixou de ser tratada como um problema de celebridade.

A professora de psicologia da Universidade Católica de Brasília, Kátia Brasil, explica que o problema não se restringe à adolescência, mas aparece, muitas vezes, nessa etapa da vida porque é a fase de adaptação e o corpo é uma forma de manifestar os pensamentos e o sofrimento.

? É uma tentativa dolorosa de dizer ?não estou conseguindo estar no mundo se não for pelo registro da dor e do sofrimento?.

Essa foi a sensação que o estudante Eduardo Soares sentiu aos 13 anos, quando começou a fazer cortes na própria pele com lâminas. Descobriu que, dependendo da forma como manuseasse o aparelho de barbear, poderia provocar pequenos ferimentos no rosto.

? Eu me lembro de procurar isso da dor de várias formas, eu gostava de me machucar e acabei descobrindo que era possível eu me machucar sem ser um acidente. Eu não buscava o prazer da dor, eu buscava a distração pela dor e queria a atenção que eu recebia quando acontecia.

Falta de atenção dentro de casa ou relações familiares conturbadas podem ser alguns dos motivos que levam adolescentes a apresentar problemas emocionais. Kátia Brasil explica que há uma necessidade dos pais de lidarem melhor com as questões dos filhos.

? A gente olha os problemas como são vistos na vida adulta, mas para o adolescente aquilo é um grande problema. Nós estamos em um mundo em que os jovens são submetidos a muitas pressões.

Um contexto de pressão sobre si mesmo fez com que Eduardo, seis anos depois, aos 19 anos, voltasse a ter crises de automutilação. Ele se sentia culpado pelo fim de um relacionamento e se punia provocando cortes. Neste momento, extraía a lâmina de aparelhos de barbear e andava com os objetos para utilizá-los sempre que se encontrasse em situações com as quais achava que não podia lidar. Depois de anos de sofrimentos, procurou ajuda de um profissional e foi diagnosticado com depressão. Hoje, ele considera o problema controlado.

Depressão, ansiedade, bulimia podem ser alguns motivos que levam pessoas a se cortarem. Bianca* passou a provocar cortes nos braços aos 14 anos, quando notou as mudanças no corpo de adolescente e se sentia feia. Ela conta que não suportou as críticas da própria mãe.

? Ela vivia dizendo que eu tinha que emagrecer. A partir daí, cada crise de bulimia era acompanhada de cortes à própria pele.

Bianca enfrentou o problema por quase dez anos e não sabia a quem pedir ajuda.

? É muito constrangedor, as pessoas não vão aceitar, ninguém vai ver isso como coisa que não é da sua vontade. A primeira atitude é dizer que você é louca. Ninguém conseguia identificar isso como um problema meu comigo mesma. Eu era vítima de mim mesma.

Há cinco anos, a jovem, hoje com 25, faz terapias semanais e descobriu que sofria de depressão desde criança, mas os pais não conseguiram identificar o problema.

? Eles só sabiam que eu era a problemática, mas nunca procuraram saber qual era o problema. Atualmente, o problema é tratado, na maioria das vezes, com a associação entre o uso de medicamentos e terapias psicológicas.

Kátia Brasil explica que alguns sintomas revelam que algo vai mal com os adolescentes.

? Se o adolescente se isolar muito, se ele foge dos problemas, precisa de atenção. Pode ser um sintoma de que ele apresenta problemas psicológicos. A automutilação em si, ele sempre vai tentar esconder, então, se ele evita situações em que precisa mostrar o corpo, usar roupas que mostrem partes mais escondidas, isso é sinal de que o problema já pode estar ocorrendo.

Fonte: r7