Jovens x Computadores: Uma combinação maléfica para a saúde dos usuários

Jovens x Computadores: Uma combinação maléfica para a saúde dos usuários

A luminosidade emitida por aparelhos eletrônicos é vilã do sono. Já foi-se o tempo em que somente a televisão dificultava o sono das pessoas

Jovens x Computadores: uma combinação maléfica para a saúde. Os dispositivos informáticos, como computadores, tablets, celulares têm alongado a noite dos jovens. Eles têm dormido menos e com menor qualidade.

Consecutivamente isso pode aumentar diretamente os índices de propensão a doenças como obesidade, enfraquecimento do sistema imunológico. A luz emitida pela tela transmite ao cérebro uma mensagem que retarda o hormônio do sono, a melatonina.

De acordo com especialista em distúrbios do sono, Cícero Alves, a melatonina é produzida em uma glândula localizada na região da cabeça, chamada epífise. ?Esse hormônio é responsável por sinalizar ao cérebro o horário de dormir.

A exposição à luz envia uma mensagem de que não está na hora de dormir. Quanto mais intensa a luz captada pela retina, das terminações nervosas que informam, maior é a redução da secreção de melatonina?, esclareceu o médico.

Uma pesquisa realizada pela Hospital Brigham and Women, pertencente à Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, concluiu que a presença de melatonina em baixa quantidade pode elevar os riscos da diabetes do tipo 2.

Ainda segundo o estudo, as pessoas que sofrem de diabetes apresentam, durante a noite, níveis inferiores do hormônio, revelando que a baixa produção desse pode dobrar os riscos da doença.

Já outra pesquisa realizada em 2010, pela Unicamp - Universidade de Campinas, apontou que ficar em frente ao computador à noite é pior para a saúde do sono do que fazer a ingestão de bebidas alcoólicas, sair para a balada e até mesmo fumar. De cada 10 pessoas entrevistadas nesse estudo sobre o uso de computadores à noite, 7 afirmaram sentir problemas na hora de hibernar.

O estudo apontou ainda que entre os 710 jovens universitários avaliados, que ficam em frente ao computador entre as 19h à meia-noite, 73% foram caracterizados como maus dormidores. No caso dos que ficam em frente à TV, a qualidade do sono sofria menos prejuízos, aparecendo em cerca de 59% dos casos.

No caso do computador, os danos são elevados, por dois fatores principais: a proximidade com a tela e o conteúdo. Se comparada à TV, a internet exige mais atividade mental do usuário.

O médico do sono ressalta que na adolescência o processo de indução ao sono é retardado, já que o pico é empurrado para a meia-noite, diferentemente de pessoas idosas e crianças. ?Nessa fase da vida existe o que chamamos de atraso da fase fisiológica do sono da adolescência.

A exposição à luz interfere no pico do sono, que geralmente é às 10 horas da noite, passando para 2 ou 3 da manhã?, afirmou Cícero. Ele enfatiza ainda que devido esse processo mais dotado de lentidade em relação ao sono dos adolescentes, o mais indicado é que eles estudem à tarde. Além disso, encerrar as atividades no computador às 10 da noite pode contribuir significativamente para melhorar a qualidade do sono.

Aliando essa tendência natural com o uso de computadores e outros dispositivos que transmitem uma carga intensa de luminosidade, mesmo que seja executando atividades tidas como adequadas, como pesquisas acadêmicas, causa interferências na qualidade do sono de muitos jovens, podendo acarretar inúmeros malefícios.

Desencadeamento ou acentuação de problemas de saúde

Pesquisas mostram que a privação do sono mantém uma intensa relação com o desencadeamento ou acentuação de problemas de saúde. O estresse, mau humor e ênfase no Distúrbio de Déficit de Atenção (DDA) são características que acompanham Gustavo sempre quando ele tem poucas horas de sono. "Eu já tenho DDA, e ele fica pior quando não durmo bem.

Na verdade, tenho vários problemas de saúde, que pioram por causa da má qualidade do meu sono", explicou o universitário, que classificou o seu sono como ruim, em uma escala de 0 a 10, ele assegura que a nota máxima que dá para seu sono é 6.

De acordo com Cícero, os problemas cardiovasculares também podem ser desencadeados com a baixa qualidade do sono. "Esse problema pode não surgir de maneira direta.

Mas os pacientes que têm doenças causadas pela baixa qualidade do sono, como a obesidade, pode,, sem dúvidas, desenvolver problemas no coração", apontou Cícero. Ele frisa ainda para outras consequências de maus hábitos à noite, como os distúrbios metabólicos e o colesterol elevado, por exemplo.

O médico alerta ainda para os perigos que a emissão direta de luz intensa pode ocasionar para a pele. "Uma das recomendações que são feitas para as pessoas que trabalham durante muito tempo em frente ao computador é a do uso de filtro solar, já que essa intensidade considerável pode traz prejuízos para a pele", revelou Cícero.

Para os que desejam fazer leituras durante a noite, uma das indicações dadas pelo médico é que seja feito o uso de luz azul, já que dá maior sincronicidade ao cérebro.

"O ideal é usar um abajur e colocar a luz direta no objeto de leitura, porque o que atrapalha o sono é justamente a luz direta nos olhos. Dessa maneira, é possível realizar essa atividade sem que haja problemas", recomendou o especialista do sono.

A luz, de acordo com o especialista, é um dos elementos mais relevantes no que diz respeito a uma noite de sono satisfatória. "Do processo que chamamos de higienização do sono, que diz respeito a todos os métodos que devem ser empregados para melhor descansar, que envolve o uso de um bom colchão, travesseiro e posições adequadas para dormir, por exemplo, a questão da luminosidade, indiscutivelmente, é a mais importante", finalizou Cícero Alves.

Estresse e mau humor afetam os ruins de cama

O universitário Gustavo Rodrolli, 24, está entre os milhares de jovens pertencentes a sua faixa etária que sofrem com as consequências ocasionadas pelas longas noites em frente ao computador.

Entre pesquisas acadêmicas e bate-papo com os amigos, em sua maioria os que residem fora do Estado, o estudante advindo do interior do Piauí revelou que chegou a ficar da meia-noite às 7 da manhã do dia seguinte conectado.

Segundo o jovem, já se tornou um costume dormir depois das 2 da manhã. "Todos os dias eu durmo tarde. Quando eu não uso o computador, deito umas 3 horas. Já quando eu uso, eu já vou dormir umas 5 e, às vezes, até mais tarde", afirmou Gustavo, que acorda costumeiramente ao meio-dia.

O universitário acrescenta ainda que já está acostumado com o ritmo de vida que se tornou adepto desde quando começou a morar sozinho, há cerca de 2 anos.

"Mas também não é porque eu moro longe da minha mãe que eu tenho a liberdade de ficar no computador até quase de manhã. Se ela morasse comigo, seria do mesmo jeito. Ela já sabe desse meu hábito e não iria me controlar", disse o jovem.

Hábitos dessa tipologia, segundo especialistas, são altamente prejudiciais, já que dormir é uma das maneiras mais eficientes para revitalizar as energias. Uma boa ou má noite de sono influencia diretamente em vários âmbitos da vida de qualquer indivíduo.

Fonte: Wherika Carvalho