Linha branca tem última semana de IPI reduzido

Indústria e varejo tentam convencer governo a prorrogar medida

A redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para máquinas de lavar, geladeiras, fogões e tanquinhos entra em sua última semana. Em vigor desde abril, a medida possibilitou à indústria e ao varejo retomar as vendas desses bens duráveis, afetadas pela crise financeira internacional.

Nesta segunda-feira (26), representantes do setor reúnem-se com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em São Paulo, na expectativa de que a renúncia fiscal seja prorrogada ao menos até o fim do ano. Ao longo de outubro, empresários da indústria e do varejo pleitearam durante encontros em São Paulo com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, a manutenção das alíquotas reduzidas até dezembro ou janeiro de 2010

O governo reduziu o IPI das máquinas de lavar roupa de 20% para 10%, das geladeiras de 15% para 5%, dos fogões de 5% para zero e dos tanquinhos de 10% para zero. Na saída de recente encontro com Jorge, a presidente do Instituto para o Desenvolvimento do Varejo (IDV) - entidade que abrange as principais varejistas do País - e do Magazine Luiza, Luiza Helena Trajano, manifestou "otimismo" quanto à possibilidade de renovação da medida.

O setor tentou sensibilizar o governo com a justificativa de que a prorrogação vai manter aquecido o mercado de trabalho da indústria da linha branca e do comércio, que é o segundo maior empregador do País. Vendas em alta A Whirlpool, que reúne as marcas Brastemp e Consul, mantém desde o mês de maio uma taxa média de crescimento ao redor de 20%, ante queda de 6% nos quatro primeiros meses do ano. "Existe uma demanda muito grande sustentada pela redução do IPI.

Nas últimas semanas, percebemos o grande varejo recompondo estoques fortemente, como se o incentivo acabasse em outubro", afirmou à Agência Estado seu diretor de Relações Institucionais, Armando Ennes do Valle Júnior. Segundo Valle Júnior, a Whirlpool irá manter o nível de utilização de sua capacidade instalada ao redor de 85%, independente da decisão do governo. Sazonalmente, os meses de outubro e novembro são os mais aquecidos para a indústria da linha b

Fonte: g1, www.g1.com.br