Linha de pipa com cerol corta pescoço e rosto de jovem no interior de São Paulo

O pó de vidro presente no fio cortou o rosto e o pescoço do jovem

No início da tarde desta sexta-feira (23), o estudante Jhoni César Elias Torres, de 15 anos, corria sobre sua bicicleta pelas ruas do Jardim Cruzeiro do Sul, bairro de Araraquara ? a 273 km de São Paulo. Com fome, ele queria chegar cedo em casa para almoçar, mas, no meio do caminho, foi surpreendido por uma fina linha de pipa coberta de cerol.

O pó de vidro presente no fio cortou o rosto e o pescoço do jovem. ?Não vi [a linha] e acabei brecando tarde demais?, relatou o adolescente. Por pouco o cerol não cortou um outro jovem, que estava sentado justamente em frente a Torres, sobre o quadro da bicicleta. ?O boné que ele usava protegeu a cabeça?, relatou.

Sangrando e assustado, ele observou um grupo de adolescentes. A maioria passava cerol nas linhas de suas respectivas pipas. ?Saíram correndo quando me viram?, contou Torres.

O jovem se acalmou e seguiu, de bicicleta, até a casa do amigo. Lá, lavou os ferimentos e foi à sua casa, no bairro Jardim Del Rey. Na residência, sua mãe, a dona-de-casa Lucia Helena Elias Torres, de 39 anos, assustou-se com os cortes. ?Um vizinho nosso levou o Jhoni até o pronto-socorro?, contou.

Uma hora após chegar ao hospital, o adolescente finalmente foi atendido. Ele levou 22 pontos e foi liberado em seguida. A médica que o atendeu afirmou que o caso poderia ter sido bem mais grave. ?Ela me disse que o corte não atingiu a [veia] jugular por um milímetro?, disse Torres. Em uma semana os pontos serão retirados.

Conforme a mãe do garoto, soltar pipa com cerol é uma atividade muito popular entre crianças e adolescentes na cidade. ?Mas no período de férias aumentam os casos?, comentou.

Sofrendo com dores no rosto e com dificuldade para falar, devido aos pontos, Torres contou que esta foi a primeira vez que se cortou com linha de pipa. ?E espero que seja a última?, completou.

15 centímetros

Na noite da última segunda-feira (19), a estudante Lilian Albertazi, de 18 anos, também foi vítima de linha com cerol. A estudante estava com o namorado, que dirigia uma moto, quando foi ferida no queixo e em dois dedos. Ela foi operada na manhã desta terça-feira e levou 40 pontos no rosto por causa de um corte de 15 centímetros.

O médico Cassiano Abdala, que atendeu a estudante, disse que o corte foi muito profundo. ?Se não fosse o osso, a linha poderia ter ido para dentro do pescoço, atingido a veia jugular, podendo causar óbito imediato?, afirmou, em reportagem ao Bom Dia São Paulo.

Para Lilian, as pessoas deveriam parar de passar cerol nas linhas de pipa. ?Imagina, pode trazer uma tragédia?, disse. E acrescentou: ?Eu nasci de novo?.

Fonte: g1, www.g1.com.br