Lu Alckmin fala pela 1ª vez sobre filho morto em acidente: “O amor não desaparece jamais”

O jovem, que era administrador de empresas e piloto comercial, completaria 32 anos nessa segunda-feira (6).


Nesta quarta-feira (08) a primeira-dama de São Paulo, Lu Alckmin, se manifestou pela primeira vez sobre a morte do filho caçula, Thomaz, que foi morto em um acidente de helicóptero na última quinta-feira (2). O jovem, que era administrador de empresas e piloto comercial, completaria 32 anos nessa segunda-feira (6) e foi uma das cinco vítimas da queda da aeronave sobre uma casa em construção na cidade de Carapicuíba, na Grande São Paulo.

“O amor não desaparece jamais”, diz trecho da oração. “Vocês continuam vivendo no mundo das criaturas, eu estou vivendo no mundo do Criador. Não utilizem um tom solene ou triste. Continuem a rir daquilo que nos fazia rir juntos. Rezem, sorriam, pensem em mim. Rezem por mim. Que meu nome seja pronunciado como sempre foi, sem ênfase de nenhum tipo. Sem nenhum traço de sombra ou tristeza”, diz outro trecho.

A primeira-dama encerrou com um agradecimento pelas “mensagens de apoio e solidariedade que muito nos têm confortado nestes dias tão difíceis”. No dia do acidente, já à noite, o Palácio dos Bandeirantes emitiu nota por meio da qual a família Alckmin se dizia " inconsolável " pela perda do caçula de três irmãos.

A missa de sétimo dia de Thomaz é hoje às 19h30, na igreja Nossa Senhora do Brasil, apenas para convidados da família Alckmin.

Os peritos da Aeronáutica concluíram na madrugada de hoje (4) o trabalho de campo no local onde caiu o helicóptero em que estava o filho do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin . Desde a noite de quinta-feira (2), os técnicos recolhiam indícios que possam indicar as causas do acidente.

O acidente e as investigações

O helicóptero em que Thomaz estava com outras quatro pessoas - o piloto Carlos Haroldo Isquerdo Gonçalves e três mecânicos, que também morreram - pertencia à empresa Seripatri. O helicóptero Eurocopter, modelo EC 155, tinha cerca de quatro anos de uso e 600 horas de voo. De acordo com a empresa, a documentação do aparelho estava em ordem. No momento da queda, a aeronave fazia um voo de teste, após manutenção preventiva.

No último sábado, foi encerrada a busca de dados sobre o acidente pelas equipes de resgate. Todo o material recolhido, incluindo peças da aeronave e registros produzidos pelas equipes de solo, está sob análise no Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa). O centro, que fica no Campo de Marte, zona norte paulistana, conduzirá a apuração do caso. Não há previsão de conclusão dos trabalhos.

 

 

 

Fonte: Terra