Máscaras são abandonadas em carrinhos e no chão em aeroporto

As máscaras usadas estão sendo descartadas de forma aleatória em bancos

As máscaras utilizadas por passageiros para se proteger do contágio da nova gripe estão sendo descartadas de forma aleatória em bancos, carrinhos de bagagem e até no chão do aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo. Funcionários do local e passageiros dizem que têm encontrado máscaras usadas abandonadas em diversos pontos do aeroporto. Na manhã da quarta-feira (1º), o G1 encontrou pelo menos duas máscaras usadas abandonadas em carrinhos de bagagem.

?É um absurdo. Tanto que tem se falado do perigo da nova gripe e as pessoas fazem uma coisa dessas. Cheguei aqui hoje [quarta-feira] de manhã para esperar minha namorada que vinha do Rio e pisei em uma máscara jogada no chão. Chamei uma mulher da limpeza para tirar e ela me disse que aquilo ali está ficando uma coisa comum?, contou o engenheiro Rodolfo Fernandes, de 44 anos.

?Vi uma no chão. Deviam ter jogado no lixo. Como as pessoas são mal educadas?, disse a estudante Carolina Queiroz, de 15 anos. Ao lado do pai, o cirurgião dentista Alfredo Gomes de Sousa, de 51 anos, ela tinha ido ao aeroporto pegar a irmã, que chegava dos Estados Unidos. ?Acredito que a máscara sozinha não transmite nada, mas é falta de higiene jogá-la assim?, disse Sousa.

Funcionários dos setores de limpeza e de desembarque do aeroporto confirmaram ao G1 que a prática de abandonar máscaras usadas pelo aeroporto tem se tornado corriqueira. Uma faxineira chegou a dizer que, todos os dias, varre até duas máscaras do chão do aeroporto na Grande São Paulo. Nenhum dos funcionários, porém, quis se identificar.

Falta de higiene

Professora doutora do Departamento de Doenças Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) Walkyria Pereira Pinto diz que o incidente demonstra como a falta de educação ainda é grande no Brasil. Ela fala que essas máscaras não precisariam ser jogadas em um lixo especial ou incineradas, mas precisam ser descartadas no lixo, mesmo que comum. ?Chão não é lugar de descartar nada.?

Embora afirme que não há um maior perigo de contágio da nova gripe pelo material, ela diz que essa hipótese não pode ser inteiramente descartada. ?Essa pessoa descarta [a máscara] e alguém pega em um carrinho ou no banco e acha que pode usar. Quem pega olha e acha que está limpo porque não vê nada. Então, respirando aquela máscara, pode se contaminar. Ou então alguém, como os empregados que manipulam aquela máscara descartada, não lava as mãos e depois as aproximam do nariz e da boca?, disse.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que todo o lixo de dentro das aeronaves tem um descarte especial. Além disso, os passageiros que apresentam algum sintoma da doença ao longo de voos recebem máscaras. Quando eles desembarcam nos aeroportos são encaminhados para serviços de saúde que se responsabilizam por esse material, encaminhando-o para a incineração. Quanto às máscaras descartadas por passageiros comuns no saguão dos aeroportos, a Anvisa diz que não tem responsabilidade sobre o assunto.

A assessoria de imprensa da Infraero informou que, a partir desta quinta-feira (2), irá instalar no saguão do aeroporto de Cumbica, próximo aos terminais de desembarque internacional, lixeiras diferenciadas para o descarte das máscaras. As lixeiras serão parecidas com os cestos comuns já existentes no aeroporto, mas terão uma placa com o alerta: ?deposite aqui sua máscara?. Além disso, terão sacos plásticos especiais para materiais infectantes.

Ainda conforme a Infraero, esse material será recolhido e devidamente encaminhado para uma empresa que ficará responsável por sua desinfecção e envio a um aterro sanitário.

Fonte: g1, www.g1.com.br