Maternidades aumentam testes neonatais, informa fundação

Houve também crescimento com o teste do coraçãozinho

Aumentou o número de testes de triagem neonatal (em recém-nascidos) com os testes da Orelhinha, Coraçãozinho e do Pezinho nas maternidades da Prefeitura de Teresina. Foram realizados 1.326 testes da orelhinha de janeiro a março deste ano. Em 2014, foram realizados 1.064 de outubro a dezembro.

Houve também crescimento com o teste do coraçãozinho, com o total de 327 atendimentos de janeiro a março deste ano. No ano passado foram realizados 394 testes, de agosto, quando foi iniciado esse serviço, a dezembro, um total de cinco meses.

O teste do pezinho manteve a mesma média com 1.165 exames de janeiro a março deste ano e no mesmo período de 2014 foram realizados 1.161 testes.

A presidente da Fundação Hospitalar de Teresina (FHT), Fátima Garcêz, explica que os testes de triagem neonatal identificam de forma precoce algumas doenças.

"Com o diagnóstico, pode ser otimizado o tratamento e não comprometer o desenvolvimento da criança. A triagem neonatal serve para detectar doenças congênitas e hereditárias e deve ser feita em até 28 dias após o nascimento", informa.

Com o teste do pezinho, por exemplo, são identificados casos de hipotireoidismo congênito, anemia falciforme, sífilis congênita e Aids, entre outras doenças. O teste do coraçãozinho é realizado na Maternidade Professor Wall Ferraz, no bairro Dirceu II, que, no primeiro trimestre deste ano, contabilizou 327 testes do coraçãozinho em recém-nascidos.

A diretora de Assistência da Fundação Hospitalar de Teresina (FHT), Jesus Mousinho, orienta sobre esses serviços. "O responsável pelo bebê deve procurar as salas de vacinação de uma das três maternidades e marcar a data para a realização desses exames ainda durante o primeiro mês de vida da criança", explica.

"Quando é realizado o teste e identificada alguma doença, o tratamento sendo realizado, diminui os casos de mortalidade", explica a diretora da Maternidade Professor Wall Ferraz, Mércia Brito.

A costureira Maria das Graças Silva levou a filha com menos de um mês de vida para realizar o teste da orelhina na Maternidade Professor Wall ferrraz e ficou satisfeita ao receber a informação de que a filha está com a saúde perfeita. "É importante ter essa certeza que só o exame pode identificar", declara.

Fonte: Jornal Meio Norte