Medicina perde concorrência no número de vagas no Piauí

O resultado do Enem, divulgado na segunda-feira (13), mostrou os cursos mais concorridos nas instituições públicas do Piauí.

O Ministério da Educação divulgou na manhã de segunda-feira (13) o resultado com os aprovados na primeira edição de 2014 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). O resultado já pode ser consultado pelo site http://sisu.mec.gov.br.

Nas três instituições públicas piauienses que aderiram ao sistema, os cursos mais concorridos foram Serviço Social na UFPI, Radiologia no IFPI e Educação Física na UESPI.

Nesta edição, diferente dos anos anteriores, Medicina não ocupou a primeira colocação em nenhuma das instituições públicas que oferecem o curso. Na Universidade Federal do Piauí (UFPI), que ofertou 3.550 vagas distribuídas em 79 cursos, o mais concorrido foi Serviço Social com 51,56 alunos por vaga. Em segundo lugar ficou o curso de Nutrição (49,40) e em terceiro, Pedagogia (46,18). O curso de Medicina este ano ficou na 13ª posição.

A Universidade Estadual do Piauí (UESPI), que passa pelo primeiro ano de experiência com o Sisu teve o curso de Licenciatura em Educação Física a maior concorrência.

O curso de Medicina ficou na segunda posição na instituição, que está oferecendo este ano 3.915 vagas em 107 cursos lotados nos 14 campi distribuídos em todo Estado Já o Instituto Federal do Piauí (IFPI) ofertou 1.175 vagas em 30 cursos de graduação e teve o curso de Radiologia(59 alunos por vaga), Gestão de Recursos Humanos (54) e Secretariado (48) os mais concorridos, todos no Campi Teresina Central.

Nas unidades do interior do Estado, o curso mais procurado foi o de Licenciatura em Ciências Biológicas, do Campus Floriano (33). Ao todo, foram recebidas 29.533 inscrições. Destas, 28% foram de candidatos de outros estados.

André Café Oliveira foi aprovado na segunda opção escolhida. Café colocou Psicologia na primeira opção e sua segunda opção foi Ciências Contábeis, ficando em 11º lugar. O estudante avalia o exame e acredita que o ENEM tem seus prós e contras.

?Por um lado trouxe essa possibilidade de interação e dinamicidade na questão da escolha do curso; por outro lado, acaba com alguns aspectos das regionalidades, que eu acho super importante um povo de um estado, ter conhecimento mínimo?, avalia.

Luiz Carlos Júnior também foi aprovado na segunda opção e acredita que as regionalidades são desprezadas pelo ENEM. ?O provão do Enem praticamente exclui os regionalismos e a literatura talvez seja a maior prejudicada.

Quantos livros da literatura piauiense, que é maravilhosa, nós só lemos porque o antigo PSIU e o vestibular da UESPI nos obrigaram?, declara.

Segundo o MEC, o Sisu teve 2.559.987 candidatos inscritos, o que representa um aumento de 31,28% de inscrições em relação à edição do primeiro semestre de 2013.

Estes fizeram 4.988.206 inscrições, já que os candidatos podem optar por mais de um curso. Foram ofertadas 171.401 vagas em 4.723 cursos de graduação de 115 instituições do país.

Segundo o governo, 43% das vagas foram reservadas para estudantes de escolas públicas pela lei federal de cotas.

Alunos se planejam após resultado

Estudantes de todo o Brasil acompanharam ontem a divulgação do resultado do Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

Aprovados na primeira ou na segunda opção estão avaliando as possibilidades e decidindo se vão ou não cursar. É importante contudo decidir o quanto antes, já que o período de matrículas iniciam na sexta-feira, dia 17 de janeiro, ocorrendo também nos dias 20 e 21 deste mês.

O primeiro colocado no curso de Medicina da Universidade Federal do Piauí (UFPI), Gleydyson Freire, já decidiu que não vai cursar e quem está na fila de espera para este curso tão concorrido já pode ter expectativas em ser aprovado.

O jovem de 24 anos mora em Teresina e foi aprovado na primeira opção com 812,57 pontos na prova e 840 na redação. Sua segunda opção era Engenharia Elétrica, onde seu escore era maior, 817 pontos, devido aos pesos das disciplinas na área de exatas.

Gleydyson dá aulas particulares e fez a prova com o objetivo de estimular seus alunos. Esta não é a primeira vez que ele faz o ENEM e, segundo ele, a prova vem ficando cada vez mais difícil com problemas mais específicos a serem solucionados. "Já venho fazendo a prova há 05 anos e este foi o ano mais difícil", explica Gleydyson.

Enquanto Gleydyson optou por não cursar Medicina, Paloma Carvalho sonha em ser chamada para o curso. A jovem está na lista de espera na Universidade Federal do Ceará (UFC) para o campus de Sobral.

Ela foi classificada em 20º lugar e pelas cotas de estudante que cursou ensino médio em escola pública, ela concorre a uma das 14 vagas. Na lista de 2ª chamada, Paloma está na 6ª posição.

A segunda opção da jovem também foi medicina na UFPI. Aqui, a jovem ficou classificada em 12º lugar e concorre a 04 vagas pelas cotas. "Estudei até julho em pré-vestibular. Foi bem puxado. A primeira opção foi Medicina na UFC. A minha nota lá é maior, 722.24, e lá tem mais vagas, 14. Aqui só tem 04 vagas", conta.

Luiz, que foi aprovado na segunda opção de curso ainda não decidiu se vai cursar. "Ainda vou conversar com a família porque é uma decisão difícil, envolve largar muita coisa aqui. Estou por dentro das datas e a minha outra opção também foi Psicologia, só que na UESPI aqui em Teresina mesmo. Eu fiquei em 44º e eram 34 vagas.

Provavelmente irei aguardar as próximas chamadas da UESPI, justamente porque ainda não planejei nada sobre Parnaíba", afirma.

Fonte: Vicente de Paula