Mel vindo da China prejudica venda do produto fabricado no Piauí

Exportação do produto deve atingir a marca dos R$15 mil.

Na manhã desta quinta-feira (07) foi realizado no auditório do Centro Tecnológico em Agronegócio Familiar do Piauí (Centapi), em Picos, um seminário para discutir a atuação da Associação Néctar que desenvolve atividades junto a Casa Apis na macrorregião, e sobre a produção e comercialização do mel.

O evento foi promovido pela Associação Néctar e reuniu representantes da Universidade Federal do Piauí (UFPI), da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), do Instituto Federal do Piauí (IFPI), Cocajupi, Sebrae, Muticom, Sedet e Codevasf.

O presidente da Associação Néctar, Antônio Leopoldino Dantas, o Sitonho, fez uma retrospectiva da instituição destacando que a mesma não funcionou a contento devido às necessidades de recursos e infraestrutura. Ele ainda enfatizou a necessidade de desenvolver pesquisas no segmento envolvendo a participação de professores.

Outra temática abordada no Seminário foi a concorrência do mel produzido por outros países, a exemplo da China. “Está entrando mel da China na macrorregião, o que tem prejudicado a venda do produto local. O mesmo disse que a Casa Apis mantém a qualidade e atende todas as normas. “Nosso mel tem toda certificação de qualidade e acompanhamento", afirmou Sitonho.

O representante da Codevasf, Romualdo Ramos, enfatiza que a instituição vai fornecer apoio ao Centapi, especialmente na área de fomento. “Temos aqui muitos equipamentos que ainda serão entregues. Estamos trabalhando muito”, disse Romualdo Ramos.

O superintendente da Sedet, Francisco das Chagas, elogiou o trabalho desenvolvido na cadeia do mel local. No entanto, destaca a necessidade de maiores iniciativas e cobranças para o desenvolvimento do setor na região, articulado pela Associação Néctar.

Durante a realização do Seminário ainda foi estimado uma progressão para a exportação do produto em 2015, que deve atingir a marca dos R$15 milhões, superando valores alcançados em 2014 que foram de R$ 10 milhões.

Fonte: Riachaonet