Menino que passou 60 horas com bala na nuca revela que "nasceu de novo"

Segundo os médicos, Luan Correa ficará sem sequelas.

Vítima de bala perdida no sábado (18), o menor Luan Oliveira Correa, de 12 anos, poderia ter sido mais um na estatística de mortes violentas no Amapá. Ele foi atingido com um tiro na nuca e passou mais de 60 horas com o projétil alojado no corpo à espera de uma cirurgia no Hospital da Criança e do Adolescente (HCA), em Macapá. O menino foi submetido a procedimento cirúrgico na quarta-feira (22) e sobreviveu sem sequelas. Nesta quinta-feira (23), Luan voltou para casa, no município de Santana, a 17 quilômetros da capital.

Em casa, ao lado dos irmãos e da avó, o menino conta que lembra de tudo o que aconteceu. "Nasci de novo. Quando me atingiram só senti um choque que parou todo o meu corpo, caí no chão e não tinha forças para me mexer, mas vi o desespero do meu pai pedindo ajuda", descreveu Luan, referindo-se ao pai Walter Correa, de 40 anos, que ficou o tempo todo junto ao filho no hospital.

Na cama, onde vai passar a maior parte do tempo durante os próximos dias, seguindo orientação médica, Luan segura na mão esquerda o terço usado durante todo o período de internação. "Com certeza Deus fez alguma coisa por mim, tinha o terço desde antes do tiro, e agora não vou deixá-lo", disse. Para se divertir, o garoto ouve música em um aparelho de som comprado pelo pai.

Luan agradeceu todos os cuidados recebidos pela equipe médica. Ele contou que sentiu medo de ficar sem fazer as coisas que mais gosta como jogar futebol, soltar pipa e ir para a escola, onde cursa a 6ª série do ensino fundamental.

O pai da criança se emocionou ao revelar o medo que sentiu de perder o filho, desde o momento em que viu Luan levar o tiro, até a longa espera pela cirurgia. Mesmo com prazo definido pelos médicos em função do local atingido pelo disparo, Walter diz que se preocupou com o estado do filho imobilizado por quase todo o tempo de internação.

"Qualquer pai se desespera, ver meu filho lá sofrendo, não podendo comer, nem fazer o que deseja. Nessas horas, os médicos foram meus melhores amigos em dar a atenção necessária ao Luan, só tenho a agradecer por deixarem ele viver sem nenhuma sequela", agredeceu Walter, emocionado.

A recuperação do garoto deve durar 30 dias, conforme prevê o neurocirurgião Paulo André Aragão, responsável pela cirurgia em Luan.

Caso

A bala perdida, segundo a Polícia Militar, foi disparada por um jovem de 19 anos, que errou o alvo ao tentar atingir dois rivais a uma quadra de distância da criança que acompanhava o pai em um comércio em Santana.

"O homem que atirou já tem passagem pela polícia e ao atirar em um desafeto dele, errou o tiro, atingindo o garoto, que não tinha nada a ver com a situação", confirmou o sargento Herinaldo Nascimento, da Polícia Militar.

O suspeito de ter efetuado o disparo fugiu do local, mas com a ajuda de testemunhas, a Polícia Militar ainda conseguiu capturá-lo. Ele foi preso e apresentado na Central de Flagrantes da 1ª Delegacia de Polícia Civil de Santana, de onde seguiu para o Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen).


Menino que passou 60 horas com bala na nuca diz que

Menino que passou 60 horas com bala na nuca diz que

Fonte: G1