Menino sofre paralisia para salvar irmã e é abandonado pelos pais

Por exigir cuidados constantes, foi abandonado pela família.

Brendo era um menino saudável até protagonizar um ato heroico aos 12 anos de idade. Após escapar do incêndio que tomou conta da casa em que morava, percebeu que a irmã mais nova ainda estava no meio do fogo e voltou para resgatá-la.

Image title


Ele conseguiu salvar a menina, mas como respirou muita fumaça, ficou com paralisia cerebral em decorrência da falta de oxigenação no cérebro durante o resgate. O garoto não anda mais, não fala e precisa de ajuda para se alimentar. Por exigir cuidados constantes, foi abandonado pela família.

Brendo, que hoje tem 14 anos, mora e recebe cuidado e carinho na Associação Cruz Verde, instituição filantrópica de São Paulo que atende crianças, jovens e adultos com paralisia cerebral grave de todo o Brasil.

Laura também chama de casa a Associação Cruz Verde e, assim como Brendo, nasceu saudável. Quando tinha apenas um ano e meio, o padrasto chegou alcoolizado em casa e a arremessou contra a parede; o trauma físico resultou em paralisia cerebral. A garotinha é mais uma que faz parte da estatística dos pacientes que não recebem visita dos familiares. 

Ana* nasceu com paralisia cerebral e foi abandonada no hospital ainda bebê, aos oito meses. O pequeno Carlos também tem paralisia cerebral e foi internado pela mãe na Associação Cruz Verde, que nunca mais voltou para vê-lo.

João Augusto Soares chegou à Associação Cruz Verde com três anos de idade, depois de morar em um abrigo. Por ter paralisia cerebral, era maltratado por um tio. Na época, estava com peso muito abaixo do normal para sua idade, já que nunca pode se alimentar normalmente, se nutre por meio de uma sonda.

Hoje com 13 anos, João tem dificuldades para articular as palavras, mas frequenta as aulas que acontecem de segunda à quarta-feira dentro da associação e é um dos melhores alunos. Além disso, gosta de rever a novela infantil "Chiquititas", do SBT, e é amigo inseparável de Sara*, uma espoleta garotinha de seis anos, que também não recebe visistas.

Além da paralisia cerebral, João tem uma doença degenerativa e insuficiência respiratória, que exigem atenção ainda mais constante.

Cercado por profissionais competentes e carinhosos, e que preenchem todo o afeto que lhe foi negado na infância, João sente-se em casa e chama de mãe a auxiliar de enfermagem do período noturno, Cleide.

Setenta por cento dos 204 internados em tempo integral na Associação Cruz Verde são abandonados pelas famílias. A instituição filantrópica também presta 1.800 atendimentos por mês a crianças que, levados por seus pais ou responsáveis, passam o dia fazendo tratamentos de reabilitação.

Clique e acesse mais notícias 

Fonte: Com informacoes do IG