Mesmo autorizada a abortar, estuprada decide manter gravidez

De acordo com a tia da adolescente, a decisão foi tomada em conjunto com a família.

O drama da menina de 14 anos estuprada ganha mais um capítulo em Sorocaba (99 km de São Paulo). Depois de receber uma autorização judicial para fazer o aborto, ela decidiu não interromper a gestação de quatro meses que teria sido provocada pelo próprio pai da menor.

De acordo com a tia da adolescente, Shirley Ataíde, a decisão foi tomada em conjunto com a família, depois de receber a visita de uma psicoterapeuta. ?Eu expliquei que se tratava de uma vida e que ela poderia se arrepender disso no futuro?, disse a tia.

?Conversamos e ela vai pensar até o parto se fica com o bebê ou entrega à adoção.? A Justiça autoriza o aborto em apenas dois casos: quando há risco de morte da mãe e estupro, o que houve com a adolescente.

Shirley explicou que a sobrinha fez todos os exames necessários para saber se o bebê tem algum problema de má formação. ?Está tudo bem, graças a Deus. Ela espera uma menina.? A tia disse que a menina vai começar um tratamento com psicólogos, o que vai ajudar a superar o trauma de gerar um filho do próprio pai.

A adolescente não vai à escola desde que o pai foi preso. Ela vivia com ele, uma irmã de 13 anos e um irmão de oito anos. Os três estão agora sob os cuidados de duas tias que moram na mesma rua, já que a mãe abandonou a família há um ano e meio.

Preso em flagrante

O pedreiro Alexandre Vieira, de 37 anos, foi preso no dia 14 de agosto em flagrante quando tentava estuprar a filha de 14 anos mais uma vez. As outras duas filhas, uma de 13 e outra de 17 anos, disseram que também já sofreram abusos do pai.

A família descobriu o que acontecia quando desconfiaram da gravidez da adolescente. Quando foi confirmado que ela esperava um bebê, a menina contou o que acontecia. ?Ela disse que ele a forçava a fazer sexo e que fazia ameaças caso contasse para alguém?, disse o tio da menor, Urbano Silva Ataíde.

A Delegacia de Defesa da Mulher assumiu o caso. De acordo com a delegada Ana Luiza Salomone, o pedreiro vai responder a dois processos. O primeiro deles pelo flagrante de agosto, que é o estupro da menina que já completou 14 anos.

O segundo se refere ao período que abusou sexualmente das filhas, quando elas ainda não tinham completado 14 anos, o que caracteriza estupro de vulnerável. ?A pena para um caso como esse varia de 12 a 24 anos de prisão?, explica.

Medo

Alexandre foi levado para a cadeia de Pilar do Sul, e para garantir que ele não responda ao processo em liberdade, a delegada fez um pedido de prisão preventiva. ?Assim, é garantido que ele ficará preso até o julgamento?, diz.

É justamente a possibilidade de ver o cunhado solto novamente que assusta a família da adolescente. ?Eu tenho certeza de que se ele puder, vai tentar matar todos nós que colocamos ele na prisão e também a menina?, disse Shirley.

Fonte: UOL