Metrô da capital Teresina arrisca a vida de passageiros

Devido à falta de ventilação, o transporte precisa andar de portas sempre abertas.

Acessível, rápido e eficiente o metrô de Teresina tem tudo para ser uma opção de transporte que funciona a favor da população. Mas os problemas físicos e estrututrais do meio de transporte não só atrapalham a vida dos usuários como coloca a vida dessas pessoas em risco, já que o veículo realiza o trajeto de portas abertas para reduzir o calor de seu interior. A equipe do jornal Meio Norte vivenciou, de perto, os problemas diários de quem utiliza o transporte para se locomover.

Os usuários reclamam, mas não deixam de usar o meio de transporte por ser a opção mais acessível. A estudante Elisa Janne, de 32 anos, começou a utilizar o metrô recentemente e se surpreendeu com a estrutura do veículo. ?Uso para ir ao colégio e fiquei muito satisfeita, pois é mais rápido que andar de ônibus. Mas aqui dentro é insuportável de quente. Eles abrem a porta para que o vento circule melhor, mas continua quente do mesmo jeito. Dizem que o ar-condicionado quebrou e por isso abrem as portas, mas não vejo nenhuma instalação elétrica aqui?, diz a estudante.

As altas temperaturas são a maior reclamação dos passageiros. Para suportar o calor, adultos e crianças passam todo o trajeto próximo das portas e se sujeitam a risco de vida, já que o transporte trepida bastante durante o curso. O interior do metrô foi vitimado pela sujeira e atrapalha a viagem quando muitos passageiros estão a utilizá-lo.

?Nem falo do tempo de espera em que ficamos no terminal esperando o metrô, pois já me acostumei. Mas essa sujeira e pichação são inadmissíveis, pois nós pagamos para andar aqui?, conta a dona de casa Fernanda Neves.

A segurança é outro problema apontado pelos passageiros. Apesar de o metrô ser um método de transporte mais rápido e barato, alguns passageiros preferem pegar ônibus por terem medo da ação de marginais nos terminais, que precisam de capina. ?Não tem limpeza, é abafado e precisa de segurança. O ponto de ônibus da Matinha é um matagal, fico o tempo inteiro com medo de ser assaltada. Como se já não bastasse a experiência de andar no metrô?, lamenta a aposentada Francisca Gomes.

INVESTIMENTOS - Para atender melhor a população, o governo do estado pretende duplicar a linha férrea e estender o percurso até o Bairro Tancredo Neves, tendo providenciado licitação em novembro de 2012. O projeto está orçado em R$ 130 milhões e já foi liberado pelo programa PAC Mobilidade Grandes Cidades. Entretanto, a obra ainda não tem previsão para ser iniciada.

Fonte: Olegário Borges