Moradores denunciam carnificina de gatos no bairro Bela Vista, na zona Sul de Teresina

Moradores denunciam carnificina de gatos no bairro Bela Vista, na zona Sul de Teresina

Os moradores dos Bairros Bela Vista I e II denunciam que está havendo uma verdadeira carnificina de gatos na região. De acordo com relatos, pessoas estão jogando carne com veneno de rato nas ruas

Os moradores dos Bairros Bela Vista I e II denunciam que está havendo uma verdadeira carnificina de gatos na região. De acordo com relatos, pessoas estão jogando carne com veneno de rato nas ruas para que os felinos encontrem o seu fim. Em razão da prática, muita gente já perdeu animais de estimação, e a revolta é grande.

Uma senhora da região, que não quis se identificar, afirma que o indivíduo que mata os animais age ao anoitecer, espalhando a carne envenenada por todo o bairro: “É revoltante. Quando a gente acorda, só o que tem é gato morto no meio da avenida. Já morreram dois gatos meus, e realmente não sei mais o que fazer. A gente falta ficar doente de tanta tristeza”, reclama.

Para Isabel Moura, fundadora e diretora financeira da Associação Piauiense de Proteção e Amor aos Animais (APIPA) essa situação é inadmissível, e deve ser encaminhada ao Ministério Público com as devidas provas dos crimes: “Isso tem que ser denunciado para o Ministério Público. Me sinto impotente de não poder fazer nada, é uma situação gravíssima contra a lei e à vida. A vontade que a gente tem é dar um jeito nessas pessoas todas, deixá-las presas para que elas deem valor a vida”, afirma.

A legislação que rege a matéria de maus tratos a animais está prevista na Lei de Crimes Ambientais Nº 9.605, de 1998. No texto, precisamente no artigo 32, está claro que aquele que “praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos” está sujeito a detenção de três meses a um ano, além do pagamento de multa.

Porém, na prática a lei não é cumprida da melhor maneira: “A lei existe, só não faz é funcionar. O que precisamos é punir essas pessoas. Estamos tentando viabilizar uma delegacia específica para resolver essas questões. Precisamos que as pessoas colham provas, como fotos e vídeos”, explica Isabel Moura.

Isabel compara as mortes a outros tipos de preconceito: “Ao mesmo tempo que existe o racismo, a homofobia e o sexismo, também existe o especicismo, que é quando uma espécie acha que é superior a outra. Quem coloca veneno para matar outra espécie está cometendo especicismo. Temos que avançar na solidariedade e no respeito, pois nós não somos diferentes dos animais em nada”.

Curta o Portal Meio Norte nas redes sociais

Fonte: Lucrécio Arrais