Moradores reclamam da falta de água na zona Norte de Teresina

Moradores reclamam da falta de água na zona Norte de Teresina

Moradores do Residencial Paulo de Tarso reclamam que falta água nas torneiras e casa todos os dias e o problema existe há no mínimo três anos

Os moradores do Residencial Paulo de Tarso, localizado na grande Santa Maria da Codipi, zona Norte de Teresina, vivem o drama do abastecimento ineficaz de água da região. Segundo os moradores a água chega dia sim, dia não, e tem dias que não vem de jeito nenhum. O problema prejudica a rotina de trabalhadores da região, que mudam seus horários em função da chegada da água, além de muitos outros empecilhos.

De acordo com Euzimar Angélica, moradora do Residencial Paulo de Tarso, a situação da carência de água é uma realidade desde que ela foi morar no local. “Hoje está com três dias que não tem água. Isso está assim desde que a gente mudou para cá, há uns três anos. E não adianta falar com eles [Agespisa], porque eles só nos dão promessas e nenhuma solução”, afirma.

Euzimar é enfermeira, e após enfrentar duros plantões noturnos é obrigada a ficar acordada até de madrugada esperando a água chegar. “Eu trabalho a noite, passo a noite acordada, mas tenho que dormir lá pras 2h da manhã esperando a água chegar, senão a gente não enche os tanques e fica sem água até para beber. Sendo que tem dias que nem vem, pois só vem à noite de três em três dias. Aqui tem dia que a gente é obrigado a comprar água mesmo, ou então pegar água na cabeça”, reclama a moradora.

Assim como Euzimar, Manoel Pereira da Silva Filho também trabalha durante a noite, pois é vigia noturno. Mesmo com a profissão que exige horas a menos de sono, Manoel também passa a madrugada em claro esperando a água chegar para encher tanques e manilhas que têm em sua casa. “Moro aqui desde de 2011. Quando cheguei aqui já faltava água, mas piorou depois que o pessoal começou a vir mais pra cá. A água costuma chegar lá pras 23h, mas tem dias que ela não vem. Lavar roupa aqui só durante a noite, que é quando tem água”, relata.

Assim como a população do Residencial Paulo de Tarso, os moradores dos conjuntos Jacinta Andrade, Dilma Rousseff e outros da região da grande Santa Maria da Codipi também vivem sem água nas torneiras, sendo obrigados a mendigar o líquido essencial à vida em bombas improvisadas dos canos da rua.

Idepi garante entrega da ETA até o final do ano

Segundo Gustavo Aquino, engenheiro do Instituto de Desenvolvimento do Piauí (IDEPI), a ETA será entregue até o final do mês de dezembro, e que a estrutura já está em fase de finalização, o que inclui o acabamento, término da construção civil e montagem dos equipamentos. Sendo assim, até 2015 o problema dos moradores da região do Paulo de Tarso e de outras localidades da zona Norte de Teresina devem ser, enfim, resolvidos.

A ETA possui vazão de grande porte. “Essa obra vai produzir uma vazão de 500 litros d’água por segundo, e deve atender uma média de 115 mil pessoas, que são os moradores daquela região da grande Santa Maria da Codipi. O número de beneficiados deve aumentar após a construção de obras complementares”, explica Gustavo Aquino.

Agespisa diz que ETA resolverá o problema

A reportagem buscou informações junto à Agespisa (Águas e Esgotos do Piauí S/A) para entender o porquê de tantos problemas no abastecimento d’água de conjuntos e residenciais da zona Norte de Teresina. De acordo com nota técnica encaminhada pelo órgão, “o sistema de abastecimento de uma parte do conjunto Paulo de Tarso, na zona Norte de Teresina, não foi interligado porque os poços da região não são suficientes para atender a demanda”.

Na mesma nota a Agespisa também esclarece que o problema do abastecimento será resolvido com o término da construção da Estação de Tratamento de Água (ETA) da região: “O fornecimento de água para o local será garantido com a conclusão da Estação de Tratamento (ETA) de Água da Santa Maria da Codipi, investimento que está sendo realizado pelo Instituto de Desenvolvimento do Piauí (Idepi)”.

Clique e curta Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: Lucrécio Arrais