Morre aos 83 anos após parada cardíaca em São Paulo, a apresentadora Hebe Camargo

Morre aos 83 anos após parada cardíaca em São Paulo, a apresentadora Hebe Camargo

A saúde de Hebe se agravou nos últimos seis meses

Morreu neste sábado, 29, a apresentadora Hebe Camargo, aos 83 anos, em São Paulo. Segundo a assessoria de imprensa do SBT, a apresentadora morreu durante essa madrugada, em sua casa, vítima de uma parada cardíaca.

Hebe tinha assinado contrato novamente com a emissora nesta quinta-feira, 27.



Problemas de saúde

A artista descobriu em janeiro de 2010 que tinha um câncer no peritônio (membrana que reveste os órgãos da região abdominal). A apresentadora se submeteu a sessões de quimioterapia e chegou a anunciar que estava curada da doença.

No dia 8 de março do mesmo ano, data em que completou 81 anos, Hebe voltou ao trabalho apresentando seu programa na época ainda no SBT. No mês seguinte, a assessoria de imprensa da apresentadora divulgou comunicado em que dizia que não havia mais vestígios da doença em seu corpo.



Em 12 de março de 2012, Hebe foi internada no hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde passou por uma cirurgia de emergência para retirada de um tumor em seu intestino. Realizado com sucesso o procedimento, ela não teve de se submeter a mais sessões de quimioterapia.

Pouco mais de um mês após o procedimento, Hebe voltou a gravar seu programa, em 23 de abril. Como sempre, demonstrou seu bom humor e sua vitalidade. ?A cicatriz (da operação) é enorme, mas não senti um dia de dor. Não pensei nem um minuto em morte. Nem quando fui para a mesa de cirurgia. Mesmo porque eu estava dopada. Acho uma maravilha, a gente não sabe o que eles vão fazer, se vamos sair grávidas lá de dentro... Aí depois eu acordei grogue, pena que não era de vodca."

Hebe Camargo: a dona da TV

Presença marcante na história da TV brasileira, Hebe Maria Monteiro de Camargo ? nascida em Taubaté, no interior de São Paulo, em 8 de março de 1929 - começou sua carreira artística cantando aos 13 anos.

Filha de um músico, Sego Camargo, Hebe formou com a irmã, Estela, e as primas Helena e Maria o quarteto musical Dó-Ré-Mi-Fá. Com o fim do grupo, Hebe e Estela passaram a se apresentar como a dupla sertaneja Rosalinda e Florisbela nas rádios Tupi e Difusora, de São Paulo.



Nessas mesmas emissoras, surgiu a oportunidade de trabalhar como cantora-solo e Hebe ganhou o apelido de ?A Estrelinha do Samba". Por causa da notoriedade conquistada no rádio, a artista foi convidada a integrar o cast da TV Tupi, a primeira emissora de TV brasileira.

Hebe, aliás, estava no grupo que foi ao Porto de Santos, no litoral sul de São Paulo, em 1950, buscar os equipamentos da Tupi e foi convidada por Assis Chateaubriand, dono dos Diários Associados ? grupo ao qual a emissora pertencia -, para participar da primeira transmissão ao vivo do veículo. Alegando estar doente, Hebe deixou para Lolita Rodrigues a missão de cantar o Hino Nacional.

Logo no início de 1952, a artista se transferiu para a Rádio Nacional e depois para a TV Paulista. Foi na emissora que começou a carreira de Hebe como apresentadora. Entre os programas que apresentava destacou-se ?O Mundo É das Mulheres?, a primeira atração dedicada ao público feminino no veículo.

Foi nesse programa que Hebe iniciou a tradição de entrevistar personalidades em um sofá. Ao longo dos anos, nomes importantes dos mais variados segmentos foram sabatinados pela apresentadora, como as cantoras Shakira e Sarah Brightman.



Foi também nessa época que Hebe ? morena de nascença - aderiu aos cabelos loiros que se tornaram sua marca registrada.

Em 1964, ela se casou, pela primeira vez, com o empresário Décio Capuano, com quem teria o único filho, Marcello Camargo. Sete anos depois, a união foi desfeita. O término foi em grande parte motivado pelo ciúme do empresário. Na tentativa de preservar o casamento, ela chegou a se afastar do trabalho, mesmo estando em ascensão profissional.

Mas a vida de dona de casa durou pouco. Em 1966, passou a apresentar de um estúdio montado em sua própria casa um programa na Rádio Capital e, meses depois, voltou à telinha em uma atração que levava seu nome na TV Record.

Hebe passou por diversas emissoras de TV, menos pela Globo. Sua última casa foi a RedeTV!, para onde se mudou em 2010 depois de 25 anos de SBT.

O segundo casamento aconteceu em 1973. Hebe se uniu ao empresário Lélio Ravagnani, com quem viveu até a morte deste em 2000.



Discos gravados

No início da carreira, como cantora, a apresentadora chegou a gravar alguns discos. Seus vários sucessos dessa época foram reunidos pela gravadora EMI em um disco em 1995. Em 1999, voltou a lançar um CD, o ?Pra Você? (Universal ? Polygram). Com o repertório do álbum viajou fazendo shows pelas principais capitais do país.

Em agosto de 2001, Hebe lançou o CD "Como É Grande o Meu Amor por Você - Hebe e Convidados". O álbum tem participações especiais de Chico Buarque, Caetano Veloso, Zezé di Camargo e Luciano, Simone, Nana Caymmi, Zeca Pagodinho, Ivete Sangalo e Fábio Júnior. Em 2010, ela gravou seu primeiro DVD ao vivo, o "Hebe Mulher".

A apresentadora também experimentou o cinema. O primeiro filme em que atuou foi ?Quase no Céu?, de Oduvaldo Vianna, de 1949. Em 1960, chegou a contracenar com o humorista Amácio Mazzaropi (1912-1981) no longa ?Zé do Periquito?. Em 2009, fez uma participação em ?Xuxa e o Mistério de Feiurinha?.

Fonte: EGO