Mortos na Itália sobe para 291

Um dia depois do funeral coletivo que enterrou mais de 200 vítimas do tremor

Equipes de resgate continuam as buscas neste sábado (11) pelo que poderiam ser os últimos sobreviventes do terremoto que destruiu a cidade de L"Aquila, na região central do país.

Um dia depois do funeral coletivo que enterrou mais de 200 vítimas do tremor, o número de mortes aumentou para 291 após novos corpos serem retirados dos escombros. Cerca de 40 mil pessoas perderam suas casas.

Cães farejadores foram enviados na noite desta sexta-feira para as ruinas de um prédio de quatro andares em L"Aquila, onde bombeiros haviam escutado barulhos. Mas quando chegou a noite o local ficou silencioso, diminuindo as esperanças de encontrar mais sobreviventes.

"Nós cavamos toda a noite e agora temos que esperar. Já não podemos mais ouvir quase nada", disseram membros do resgate à repórteres da agência de notícias Reuters. O último sobrevivente a ser resgatado foi uma jovem de 20 anos que foi retirada do entulho na terça-feira. A Defesa Civil afirmou que as buscas estão quase no fim.

Réplicas violentas continuam a atingir a região de Abruzzo. O primeiro-ministro Silvio Berlusconi estimou que 24 mil pessoas estão vivendo em tendas e 15 mil receberam abrigos em hotéis ou casas privadas. Berlusconi ofereceu até suas próprias casas para colocar os desabrigados.

O governo também anunciou a abertura de um inquérito após o presidente Giorgio Napolitano ter questionado a qualidade das contruções. A promotoria de Áquila abriu uma investigação por "desastre culposo" e pediu à prefeitura da cidade, que foi a mais afetada pelos terremotos desta semana na Itália, dados sobre todos os projetos de construção de casas na região durante os últimos anos, informou o prefeito de Áquila, Massimo Cialente.

Fonte: g1, www.g1.com.br