Mudanças climáticas provocarão mais alergias e doenças

Haverá mais casos de câncer de pele e o aumento de doenças como febre tifóide e cólera

As mudanças climáticas terão efeitos indiscutíveis na saúde, como o aumento das alergias e doenças transmitidas por mosquitos e o aumento de problemas intestinais ligados à falta de água, advertiram na última sexta-feira especialistas em clima e saúde em Paris.

O diretor da Agência Sanitária do Meio Ambiente e do Trabalho, Dominique Gombert, afirmou que "em 2050, um em cada dois verões [hemisfério norte] se assemelhará à onda de calor de 2003", que na França causou a morte de milhares de pessoas.

Confira também

Segundo ele, já é possível prever que o aumento das temperaturas durante o verão provocará um forte avanço da mortalidade entre as pessoas mais velhas, ou frágeis. Além disso, as ondas de frio serão mais intensas, inclusive mais mortíferas, acrescentou o diretor.

Alguns poluentes - como as partículas finas -, também aumentarão, devido ao aquecimento global, acrescentou. AFrmou Gombert:

- Serão mais precoces e permanecerão por mais tempo. [...] Esta poluição terá os mesmos efeitos dos picos de poluição atuais, que geram um aumento das doenças respiratórias (bronquite, asma) e problemas cardiovasculares, assim como uma sensibilidade maior às infecções causadas por micróbios.

O aquecimento global provocará uma redistribuição da vegetação no território: por exemplo, a oliveira tentará subir para o norte.

Além disso, acrescentou, as árvores com pólen se estenderão, e por isso os períodos com muito pólen vão aumentar, o que provocará mais casos de alergias, indicou.

São previstos também outros problemas de saúde, como cânceres de pele, devido à intensificação dos raios solares, e o aumento das doenças como a febre tifóide ou a cólera, porque a água será mais escassa e mais contaminada, alertou.

O especialista ressaltou que, embora as ameaças dos efeitos do aquecimento planeta pareçam claras, as medidas para proteger a saúde das pessoas são menos evidentes.

Para reduzir os fatores de risco, será preciso desenvolver a cultura da "adaptação", mas essa meta se depara com dificuldades, como a falta de interesse dos médicos, afirmou William Dab, professor da cátedra de Higiene e Segurança no Conservatório Nacional das Artes de Paris.

- O aquecimento global é um tema que interessa aos meios de comunicação, mas menos aos médicos.

Segundo ele, as mudanças climáticas não são "um risco a mais", entre outros, e sim "uma mudança de escala do risco", dada a quantidade de pessoas expostas.

O Observatório Nacional sobre os Efeitos do Aquecimento Global sugere algumas maneiras de combater esses efeitos das mudanças climáticas na saúde, entre elas umas supervisão maior dos agentes infecciosos e da qualidade da água e do ar.

Fonte: R7, www.r7.com