Mulher descobre gravidez de 7 meses em cirurgia de estômago

O bebê, que nasceu com pouco mais de um quilo, não resistiu e morreu

A jovem Adriana Franciscate, de 22 anos, diz que não percebeu nenhuma mudança em seu corpo, mas já estava grávida de sete meses quando descobriu que esperava um bebê. A criança nasceu um mês depois.

Nesta semana, foram divulgados três casos de mulheres que disseram ter descoberto a gravidez prestes a dar à luz.

A levantadora de peso chilena Elizabeth Poblete deu à luz momentos antes do treino, em São Paulo. Ela estava grávida de seis meses mas, segundo a Federação Chilena de Levantamento de Pesos, não sabia. O bebê, que nasceu com pouco mais de um quilo, não resistiu e morreu.

No Rio Grande do Sul, uma alemã de 20 anos deu à luz no navio de carga em que trabalhava e, segundo a Marinha, que fez o atendimento inicial, ela não sabia da gravidez.

Outro caso foi de uma canadense, que teve um filho de quase dois quilos e meio no banheiro de sua casa e também afirmou que não sabia de nada, apenas sentia dores abdominais.

A jovem Adriana tinha 20 anos quando passou por situação semelhante. Moradora de Taubaté, no interior de São Paulo, diz só ter ficado grávida "por um mês". "Eu descobri que estava grávida com sete meses e aos oito meses a minha filha nasceu. Eu não tinha sono, enjoo, desejo, não tinha nada. Eu não sentia mexer. Eu falo que não fiquei grávida, fiquei grávida por um mês", diz.

Adriana, que hoje tem 22 anos, é mãe de Natália, de 1 ano e 7 meses. Ela pesa 90 kg e acha que a obesidade não a deixou perceber que estava grávida.

"Minha menstruação não era regular e eu tenho obesidade. Estava tratando um cisto e tomava anticoncepcional. Achei normal ficar tanto tempo sem menstruar. Eu ia fazer uma cirurgia para redução do estômago e a médica pediu um ultrassom para ver se o cisto tinha saído. No ultrassom, ela disse que o sisto não estava mais lá, mas que eu estava grávida de sete meses."

Disse que a notícia caiu como uma "bomba" na família. "Foi uma bomba, minha mãe quase teve um infarte. Meu pai no começo não aceitou, mas agora são eles que me ajudam", diz. O namorado, com quem tinha relacionamento de 1 ano e nove meses não quis saber da filha e nem a registrou.

Segundo ela, o bebê nasceu prematuro um mês depois pesando 4 kg e medindo 49 centímetros. "Quando me viam na rua, não falavam que eu estava grávida, não tinha barriga de grávida. Todas as roupas continuaram servindo. Ninguém percebeu, nem a minha mãe. Mas depois que eu descobri, em compensação, a barriga cresceu um montão. Acho que foi psicológico."

Adriana é diabética e diz que um dos problemas foi não ter feito o pré-natal desde o começo. "Eu corri contra o tempo, mas deu tudo certo. Minha filha nasceu perfeitinha." Adriana, que antes de ter o bebê era secretária na empresa do pai, quer voltar a trabalhar em 2010.

Fonte: g1, www.g1.com.br