Mulheres dependentes ganham 1º abrigo do Piauí

O primeiro espaço de acolhimento às mulheres com dependência química no Piauí foi inaugurado ontem

O primeiro espaço de acolhimento às mulheres com dependência química no Piauí foi inaugurado pelo governador Wilson Martins na manhã de ontem, no bairro Cidade Jardim.

Estiveram presentes na solenidade de inauguração o secretário de Infraestrutura, Castro Neto, a coordenadora de Enfrentamento às Drogas, Zita Vilar, e outras autoridades.

O governador já havia inaugurado no Matadouro um espaço como este, especificamente para homens. Este novo espaço funcionará 24 horas e vai acolher exclusivamente dependentes do sexo feminino.

Para receber estas mulheres, o espaço conta com uma estrutura de dormitórios e até berçários para as mães que enfrentam problemas com drogas.

O local tem capacidade de atender 28 mulheres, proporcionado-lhes abrigo, alimentação, atendimento por equipe multidisciplinar, capacitação profissional e outros serviços.

Wilson Martins considera que esta obra é um avanço importante na articulação de políticas públicas de combate às drogas. Ele avalia que o Piauí é um dos Estados que têm sido bastante atuante neste segmento. ?O Piauí sai na frente como pioneiro.

É o primeiro Estado do Brasil que cria esse tipo de ação que é Casa de Acolhimento à Dependentes Químicos.? Ele acrescenta que o problema das drogas é de todos e que deve haver cooperação de toda sociedade.

?É uma ação que tem que envolver toda a comunidade. Precisamos do envolvimento de todos os segmentos ou não conseguiremos vencer as drogas?, conclama o gestor.

De acordo com o governador, esta iniciativa é uma medida efetiva e duradoura que deve permanecer para futuros governos. ?Isso é um programa, isso não é só um projeto. Isso aqui é uma ação de governo.

É um programa que dificilmente, qualquer que seja o governador que vá a me substituir, vá dar um rumo diferente a ele, porque é uma das maiores necessidades que tem o povo brasileiro, que tem o povo do Piauí, de você ter condições de ajudar às famílias e as pessoas que têm dependentes químicos. Nós já locamos recursos dentro do orçamento, tanto deste ano, como a previsão do orçamento do ano 2014?, declara.

Estrutura e funcionamento do espaço

Toda a infraestrutura é resultado da reforma do antigo Centro Social Urbano (CSU), que funcionava no local. Foram feitos reparos no piso, telhado, pintura, nas instalações elétricas e sanitárias. O governo do Estado investiu R$ 157.345,79 nos reparos e R$ 251.297,50 na aquisição de equipamentos, tanto do espaço masculino e feminino.

Neste espaço atuarão 40 profissionais, como assistentes sociais, psicólogos e professores, que vão trabalhar em eixos como acolhimento, capacitação, valorização da vida e geração de renda. Todos os cuidados com a saúde das internas serão disponibilizados por meio de acompanhamento médico e psicossocial.

Durante o tratamento de 06 meses, as mulheres também terão a possibilidade de participar de oficinas de arte, música, teatro e profissionalização.

Tais serviços estão ligados ao Centro de Atenção Psicossocial (Caps), Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), Centro de Referência de Assistência Social (Cras), Samu.

Para ingressar numa das 28 vagas do Espaço como internas, a coordenadora de Enfrentamento às Drogas do Estado do Piauí, Zita Vilar, informa que as mulheres devem ter mais de 18 anos e procurar o tratamento espontaneamente, passando por uma triagem realizada por profissionais capacitados.

Fonte: Vicente de Paula