Músico preso por plantar maconha teme que caso se repita

Músico preso por plantar maconha teme que caso se repita

Pedro Caetano ficou 14 dias preso como traficante de drogas. Neurocientistas fizeram carta em apoio ao baixista

O músico carioca Pedro Caetano, o ?Pedrada?, vê os 14 dias em que esteve preso acusado de tráfico de drogas por plantar maconha em sua casa como uma ?lição de vida? e diz que seu maior temor é que isso aconteça com outra pessoa. Caetano foi liberado após a promotoria trocar a acusação de tráfico pela de posse de substâncias ilícitas.

?Ainda há confusão sobre quem é usuário e quem é traficante. Não sou traficante. Plantava para o meu consumo, para não dar poder aos traficantes. O que aconteceu comigo não pode acontecer com mais ninguém?, disse ele em entrevista.

Caetano, baixista da banda de reggae Ponto de Equilíbrio, foi preso em sua casa em Niterói em 1º de julho após uma denúncia anônima ter levado a polícia a sua casa. ?Não sei quem foi. Deve ter sido alguém da vizinhança, que se incomodou. Dava para ver a plantação do quintal, alguém pode ter visto do alto, não sei. ?, afirma.

Nos 14 dias em que esteve preso, Caetano recebeu o apoio de amigos e fãs, até que uma nova promotora do caso retirou a acusação de tráfico e reapresentou seu caso, o acusando apenas de posse de substância ilícita. Na quarta (14), ele foi liberado após autorização de um juiz.

Sigo a religião e a filosofia do rastafári. Não sou bandido. Sou um cara trabalhador"

Pedro Caetano

?Sigo a religião e a filosofia do rastafári. Não sou bandido. Sou um cara trabalhador, que tem a vida resolvida. Sustento minha família com meu trabalho?, afirma. Ele conta que plantava a droga há cinco anos para ?não sustentar o tráfico e não correr riscos de saúde?.

Sobre a carta que quatro neurocientistas fizeram para defender a sua libertação, ele se diz agradecido. ?Teve um impacto grande. A gente precisa disso, de pessoas renomadas e inteligentes se posicionando. É um assunto importante, o que aconteceu comigo pode acontecer de novo?, afirma.

Caetano defende a descriminalização do uso recreativo da maconha. ?Passei 14 dias lá sem fumar e não sofri nada. Não sou viciado. Estou sem fumar até agora, sem problemas?, conta.

Ao chegar na delegacia, em São Gonçalo, teve que aguardar o fim do jogo entre Brasil e Holanda, na manhã do dia seguinte, 2 de julho, para ser processado na carceragem.

?Foi o momento mais difícil. Cheguei ali, tinha 18 presos na cela, um monte de gente, uma coisa suja, meio assustadora. Eu não sabia o que ia acontecer e tinha que esperar o jogo acabar para eles virem falar comigo?, conta.

Antes de ser enviado a sua cela, Caetano teve que raspar os longos cabelos com ?dreadlocks? e a barba, que cultivava há mais de três anos. ?Era uma questão de higiene. Tem muita gente ali, eles precisam manter o controle. Eu compreendi. Fiquei chateado, mas era uma coisa que precisava ser feita. Entendo o motivo?, afirma.

De São Gonçalo, o baixista foi levado à Polinter do Grajaú, onde ficou os 13 dias seguintes, em uma cela com outros dois presos.

?Dei sorte. A cadeia tem divisões, como a sociedade. Tem as celas pro povão, onde tem 70 pessoas num espaço de 40 metros quadrados. Daí tem as celas pro povão ?especial?, com menos gente. E as celas pra universitário e quem tem dinheiro, em que o cara fica sozinho. Eu fiquei na intermediária, eu e mais dois em uma cela de uns nove metros quadrados.?

A cadeia tem divisões, como a sociedade. "

Pedro Caetano

Caetano era o único preso por envolvimento com maconha. Seus companheiros de cela eram um acusado de assassinato e um acusado de pedofilia. ?O acusado de assassinato era culpado mesmo, ele matou a mulher. O outro foi acusado injustamente. Eu vi a índole dele, não era uma má pessoa?, conta.

Apesar de avaliar a experiência como ?horrível?, Caetano diz que conheceu muita ?gente de bem? na Polinter. ?Não sofri violência nenhuma. Os policiais me trataram com muito respeito. Os presos também. A igreja evangélica faz um trabalho importante lá dentro, é muito presente, leva conforto e deixa a experiência toda menos dolorida?, avalia.

Um dos policiais da Polinter que conheceu Caetano enquanto o músico esteve preso afirmou que seu comportamento era "normal" e que não houve problemas durante o período em que ele esteve na carceragem.

Volta à rotina

De volta a sua casa, Caetano diz que vive ?um momento de reflexão?. Ele conta que não vai retomar a plantação no quintal. ?Estou vivendo um período de jejum. O jejum também faz parte da nossa filosofia. Agora vou dar um tempo e me concentrar no meu trabalho.?

Com seu baixista de volta, a banda Ponto de Equilíbrio deve sair em turnê no segundo semestre. ?Nosso novo CD se chama ?Dia após dia lutando?. Tem tudo a ver com esse meu momento. Vamos seguir na luta?, diz Caetano.

?A cadeia é um aperto muito grande. Nasci de novo ao sair. Aprendi a dar mais valor para tudo, espiritualmente, materialmente. Agora agradeço por cada almoço que eu tenho e cada centavo que ganho. Só espero que ninguém mais tenha que passar pelo que eu passei.?

Fonte: g1, www.g1.com.br