"Nem dormi direito", diz mãe aos 61 anos sobre alta do segundo bebê

"Nem dormi direito", diz mãe aos 61 anos sobre alta do segundo bebê

Médicos ressaltam que internação é comum para nascimentos prematuros.

O segundo bebê de Antônia Letícia Asti, mulher que deu à luz um casal de gêmeos aos 61 anos de idade, recebeu alta médica na manhã desta quinta-feira (27) em Santos, no litoral de São Paulo. Roberto ficou internado no Hospital São Lucas por dois meses e quatro dias. Agora, os pais podem comemorar o Ano Novo com a família completa.

O primeiro a chegar ao hospital para receber o bebê foi o pai, José César Asti. Bastante emocionado, ele afirma que o nascimento dos filhos foi o melhor presente de casamento. "Vou levar meu filho embora, agora de vez. E a Sofia também veio para buscar o irmão. Esse dia representa muita coisa para mim, é o maior sonho da nossa vida, ter o nosso próprio filho e poder levar ele para casa com bastante saúde", afirma José.

A mãe chegou logo depois para buscar a criança. Ela acha os dois parecidos, mas afirma que o menino lembra mais o pai. Antônia lembra também que o ano de 2012 foi bastante especial. "Um sonho realizado. Nem dormi direito, estava muito ansiosa para levar para casa. Os primeiros dias foram tranquilos. Ela dorme de dia e não quer dormir à noite. É muita alegria ter eles nos braços e vai ser o melhor ano novo da minha vida?", diz.

O pai da criança fez planos para os primeiros momentos com o filho Roberto. "Nós ficamos dois meses e quatro dias esperando tudo isso. Meu meninão passou por uns apuros, mas superou tudo e vou levar ele para casa. Essa noite nem dormi, só esperando chegar o momento. Coração está disparado, a emoção é muita. Não tem explicação, é muita alegria. Espero colocar ele no berço e deixar ele perto da irmã pela primeira vez desde que nasceram. A família agora está completa, feliz. Cada momento de sacrifício valeu a pena", diz o pai dos gêmeos.

Os médicos enfatizaram que o bebê recebeu alta com a saúde perfeita e que os dois meses de internação fazem parte do procedimento normal para prematuros. "Após dois meses de internação do hospital, os bebês estão sendo entregues aos pais. O Roberto teve uma pequena hemorragia e precisou ficar alguns dias a mais do que a Sofia. Eles pesaram em torno de 1kg quando nasceram e tiveram alta com 2,5 kg. O tempo de internação é um padrão. Os dois bebês estão absolutamente normais e sem nenhuma sequela", explica o chefe da UTI neonatal, Sérgio Luiz de Almeida.

Já o obstetra que cuidou da gravidez, Orlando de Castro Neto, ressalta que todo o processo ocorreu de forma esperada. "Correu tudo nos padrões de normalidade para uma prematuridade. Não tenho a menor dúvida de que ela será uma excelente mãe e ele um excelente pai. As crianças estão indo para casa em perfeitas condições de saúde. Não é só a idade física que conta, a idade espiritual e a idade mental também é muito importante. Com certeza os dois, com esse gás novo na vida deles, serão o melhor pai e a melhor mãe de todos os tempos. A sensação é de felicidade de ter sido o instrumento para dar esse presente de Natal e Ano Novo para eles", afirma Neto.

A gravidez

Antônia Letícia tentava ser mãe há mais de 20 anos. Ela foi acompanhada, durante todo esse tempo, pelo ginecologista Orlando de Castro Neto. Após quatro tentativas de inseminação artificial, Antônia finalmente conseguiu engravidar.

Sofia e Roberto nasceram às 22h30 do dia 23 de outubro, na maternidade do Hospital São Lucas. Os bebês nasceram de cesárea pesando cerca de 900 gramas cada um e passam bem. A mãe precisou ficar na UTI durante 24 horas para estabilizar a pressão, mas já foi encaminhada para o quarto. O parto precisou ser adiantado por causa de uma hipertensão severa da mãe, e acabou acontecendo com apenas 31 semanas. Sofia recebeu alta na última quinta-feira (20), após mais de dois meses internada.

Fonte: G1