No Dia Mundial de Luta Contra a Aids, 13 milhões já têm acesso a drogas anti a doença, diz ONU

No Dia Mundial de Luta Contra a Aids, 13 milhões já têm acesso a drogas anti a doença, diz ONU

13 milhões de pessoas já têm acesso a drogas anti-Aids, diz ONU

O mundo finalmente alcançou “o começo do fim” da pandemia de Aids, que já infectou e matou milhões de pessoas nos últimos 30 anos, de acordo com uma grande campanha de um grupo de combate ao HIV.

O número de novas pessoas infectadas com o HIV no último ano foi menor do que o número de soropositivos que passaram a receber medicamentos necessários pela vida toda para controlar a Aids.

 Mas, em um relatório para marcar o Dia Mundial de Luta Contra a Aids, em 1º de dezembro, a companha ONE, um grupo que trabalha pelo fim da pobreza e de doenças evitáveis na África, alertou que chegar a esse patamar não significa que o fim da doença está próximo.

“Passamos do ponto de retorno na luta da Aids em nível global, mas nem todos os países chegaram lá, e os ganhos feitos podem facilmente estagnar ou se reverter”, disse Erin Hohlfelder, diretora da ONE para políticas de saúde globais.

O vírus da imunodeficiência humana (HIV, na sigla em inglês) que causa a Aids é transmitido via sangue, sêmen e leite materno. Não há cura para a infecção, mas a Aids pode ser controlada por muitos anos com coquetéis de drogas antivirais.

Dados da Organização das Nações Unidas (ONU) mostram que, em 2013, 35 milhões de pessoas estavam vivendo com o HIV, 2,1 milhões de pessoas foram infectadas com o vírus e 1,5 milhão de pessoas morreram de Aids. De longe, o principal foco de HIV/Aids está na África subsaariana.

A pandemia de Aids começou há mais de 30 anos e já matou até 40 milhões de pessoas em todo o mundo.

A agência da ONU para o assunto, a Unaids, diz que, até junho de 2014, 13,6 milhões de pessoas no mundo tinham acesso a drogas contra a Aids, uma grande melhora frente aos 5 milhões que conseguiam tratamento em 2010.

“Apesar das boas notícias, não devemos comemorar uma vitória ainda”, disse Hohlfelder.

Ela salientou diversas ameaças para o progresso atual, incluindo uma falta de fundos no total de US$ 3 bilhões todos os anos para controlar o HIV em todo o mundo.

“Queremos ver um novo financiamento mais ousado de uma base mais diversificada, incluindo dos orçamentos domésticos dos países africanos”, disse ela.

Curta o Portal Meio Norte nas redes sociais

Fonte: G1