Novo código de ética busca mudar relação médico-paciente no Brasil

Se paciente quiser ouvir 2ª opinião, profissional tem de colaborar.

O novo código de ética médica brasileiro entra em vigor nesta semana. Ele trata de muitos dos avanços da medicina. Mas, principalmente, tenta melhorar a relação médico-paciente.

Quem nunca se sentiu ignorado por um médico? Quantas mães já não sofreram a aflição de não achar um pediatra para o filho doente? Queixas, reclamações, frustrações. A imagem que os pacientes fazem da classe médica não anda muito boa. E os médicos sabem disso. Agora existe a promessa de que as coisas podem mudar.

Leia também:

Novo Código de Ética define como dever do médico garantir "morte digna"

Pacientes morrem de ?hierarquia? nos hospitais dos EUA, critica médico

?Não existe mais espaço para médicos autoritários, prepotentes, arrogantes?, declara Roberto d?Ávila, presidente do Conselho Federal de Medicina.

Vários artigos do novo código pretendem acabar com a pressa e a desatenção dos médicos. O código diz: " é vedado ao médico causar dano ao paciente por ação ou omissão."

?O médico tem de ser absolutamente atencioso, zeloso, diligente, ou seja, para examinar, para ouvir uma história, tem de ter tempo?, esclarece d"Ávila.

Fim dos garranchos

Agora, os médicos estão proibidos de fazer receitas ilegíveis. O que pouparia muita dor de cabeça, por exemplo, para a aposentada Margarida Rangel e sua neta. ?Lá na farmácia, eles não souberam ler o nome do remédio que estava escrito?, ela conta. Ela percorreu dez farmácias em busca de alguém que entendesse os garranchos escritos na receita. E ninguém foi capaz de ler o que estava escrito. ?Ninguém conseguia decifrar o remédio que era para comprar.?

Elas voltaram ao consultório para tentar resolver o enigma. E nem o próprio médico conseguiu entender o que estava escrito.

?O médico não tem justificativa para não escrever de maneira ilegível?, disse d"Ávila.

Estímulo à segunda opinião

Quando o filho tinha um mês, uma mãe contou ao Fantástico que ouviu de uma médica que seu filho tinha um doença nos rins incurável. ?Ele ia ter que se tratar a vida toda, com medicamentos fortíssimos, poderia ter um retardo de crescimento?, disse Alessandra de Mello.

Ela procurou outro médico. O bebê tinha uma infecção, se tratou e ficou bom. Mas a primeira médica não ficou aliviada com a boa notícia. ?Ela nos recebeu de uma forma grosseira, depois que ela soube que nós procuramos uma segunda opinião?, conta Alessandra.

A partir de agora, se o paciente quiser ouvir uma segunda opinião, o primeiro médico tem de colaborar. E não pode se opor a conversar e passar informações para o novo médico. E, se for preciso, colaborar também para a formação de uma junta médica para discutir o caso.

?Seria muito mais seguro para mim, para a saúde do meu filho, se eles tivessem conversado, chegado a um consenso. Foi muito difícil, a decisão ficou com a gente.?

Ausências

Mas a pior coisa na relação médico-paciente é quando ela simplesmente não existe, porque o médico faltou. ?É indesculpável e inadmissível a ausência de um médico no plantão?, explica d"Ávila.

Faltar em plantão já era proibido. O que o código de ética traz de novidade nessa questão é estender a responsabilidade para a direção do hospital ou centro de saúde. Agora, está claro: na ausência de médico plantonista, a direção técnica do estabelecimento deve providenciar a substituição.

Fonte: g1, www.g1.com.br