Novo conselho LGBT municipal toma posse no salão nobre da Prefeitura

A cerimônia que estava prevista para ocorrer no Auditório da SEMTCAS, ocorreu no Salão Nobre da Prefeitura,

Fortalecer a luta pelos direitos da comunidade gay é a meta do Conselho Municipal dos Direitos da População de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT) que tomou posse na segunda-feira de manhã numa solenidade organizada pela Secretaria Municipal do Trabalho, CidA cerimônia que estava prevista para ocorrer no Auditório da SEMTCAS, ocorreu no Salão Nobre da Prefeitura,adania e de Assistência Social (Semtcas). Os empossados ontem atuarão em prol da população homossexual da cidade no biênio que inicia em 2013 e vai até 2015.

A cerimônia que estava prevista para ocorrer no Auditório da SEMTCAS, ocorreu no Salão Nobre da Prefeitura, o que fez os participantes se deslocarem, atrasando um pouco o evento que contou com a presença do prefeito Firmino Filho, o secretário executivo da SEMTCAS, Bernardo Fontenele, a promotora Mirian Lago e vários militantes dos movimentos sociais que vêm lutando contra homofobia.

O prefeito afirmou que a posse do Conselho se dá num momento importante para Teresina, reafirmando a importância de refletir a necessidade do debate sobre as condições dos LGBT na capital. ?Nós entendemos que o Conselho deve ser o objetivo para que nós possamos debater de forma clara, democrática e respeitosa. Entendemos a necessidade de debatermos as inclusões necessárias na área da saúde e educação(...). Estamos abertos para que possamos avançar. Temos que garantir o respeito aos direitos que são de todos?, destacou Firmino.

Indicada para ocupar a vaga de secretária executiva do Conselho, Samantha Brasil afirma que o papel do Conselho é discutir todas as questões inerentes à diversidade sexual. ?Vamos trabalhar a questão da violência, discriminação, preconceito, educação, trabalho e renda. Queremos trabalhar de forma correta, como cidadãos comuns. As pessoas pensam que é uma coisa de outro mundo, mas somos cidadãos como qualquer outro?, declara.

Representante dos conselheiros empossados, João Leite, do Coletivo de Gays Mirindiba, afirma que os movimentos sociais LGBT não concordam com a indicação de Samantha Brasil para secretaria executiva do Conselho, afirmando que vem desconstruindo o que já foi conquistado. Ele ressaltou que as travestis e transexuais devem ser tratados pelo seu nome social e não pelo nome masculino que consta no registro civil. Ainda assim, ele elogiou a presença do prefeito, esclarecendo que geralmente os gestores não se interessam por esta causa.

Para compor o Conselho foram eleitas 07 entidades do poder público: SEMTCAS, SEMEC, SEMJUV, SEMEL, FMS, FWF e FMC. Representando a sociedade civil, também foram escolhidas 07 entidades: Articulação Brasileira de Gays (ARTGAY), Coletivo de Gays Mirindiba, Grupo Matizes, Articulação Brasileira de Lésbica (ABL) - Pólo Piauí, Grupo Piauiense de Transexuais e Travestis (GPTRANS), Grupo Egbé/LGBT de Terreiros - Associação Santuário Sagrado Pai João de Aruanda (ASPAJA) e Associação de Travestis, Transexuais e Transgênero do Estado do Piauí (ATRAPI).

Fonte: Vicente de Paula