Núcleo de Estudos e Prevenção define luta contra suicídio em THE

. O tratamento é realizado através de acompanhamento semanal

Diante dos dados alarmantes que colocam o Piauí em destaque nacional por conta do alto índice de suicídios, a Prefeitura de Teresina, através da Fundação Municipal de Saúde, instituiu na manhã de ontem (10), Dia Mundial de Combate ao Suicídio, o Núcleo de Estudos e Prevenção ao Suicídio.

(NEPS) O presidente da FMS, Luciano Nunes, esclarece que o objetivo do grupo de discussão é aprofundar o estudo e pequisa acerca do suicídio.

Teresina, de acordo com o Gerência de Atenção Psicossocial da Fundação Municipal de Saúde, varia entre a segunda e a terceira capital brasileira onde mais pessoas cometem o ato.

“Queremos integrar todos os órgãos governamentais e não governamentais para que juntos possamos discutir, de forma articulada, esse fenômeno. O suicídio é considerado problema de saúde pública. A partir da criação do núcleo vamos definir estratégias, metodologias e metas de ações de prevenção dessas casos”, explica.

O Núcleo é constituído por psicólogos, psiquiatras, servidores da FMS, membros da Universidade Federal do Piauí (Ufpi), Universidade Estadual do Piauí (Uespi), Ação Social Arquidiocesana, Centro de Valorização da Vida, Secretaria Estadual de Saúde e representantes da Câmara Municipal de Teresina.

A vereadora Teresinha Medeiros (PPS) afirma que não tem dúvidas de que a ação vai contribuir para a diminuição dos casos de suicídio na capital.

“Temos que reconhecer que já existem políticas públicas que tratam sobre a temática, mas nós entendemos que é preciso ampliar esse atendimento. Não adianta a gente se fechar e não discutir o problema que é o suicídio. Falar de suicídio facilita a prevenção e esse é nosso maior objetivo”, coloca a parlamentar.

Ações preventivas impedem suicídio

Segundo a mais recente pesquisa da Organização Mundial de Saúde, 90% dos casos de suicídio no mundo poderiam ser evitados, caso o poder público praticasse ações preventivas.

O dado da OMS é consoante com o trabalho desenvolvido pelo ProVida, em Teresina. O ambulatório é especializado na valorização da vida e prevenção do suicídio.

O psicólogo do ProVida, Daniel Feitosa, revela que desde que foi fundado, em setembro do ano passado, 100% dos pacientes que tiveram acompanhamento psicológico no ambulatório, deixaram de tentar suicídio.

"Nossos pacientes são formados predominantemente por jovens. A prevalência de homens e mulheres variam conforme o mês. No ProVida temos muitos casos de pessoas com ideias suicidas e 30% dos pacientes já tentaram se matar antes de nos procurar", conta Daniel Feitosa.

O ambulatório ProVida funciona do Centro Lineu Araújo. O tratamento é realizado através de acompanhamento semanal durante três meses. Após esse período, de acordo com avaliação médica, a pessoa pode ser encaminhada para complementação do tratamento na Rede de Atenção Psicossocial do município, que engloba os Centros de Antedimento Psicossocial (CAPS).

Fonte: Virgínia Santos e Izabella Pimentel