Obama pede fim de terapias e tratamentos de 'conversão' de gays

Esse tipo de terapia conta com o apoio de alguns grupos conservadores e religiosos nos EUA.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defendeu nesta quarta-feira (8) o fim de tratamentos psiquiátricos e terapias que tenham como objetivo 'converter' a orientação sexual de gays, lésbicas e transgêneros.

Obama respondeu assim, através de uma postagem no site da Casa Branca, a um abaixo-assinado que conseguiu a adesão de mais de 120 mil pessoas em cerca de três meses no ar.

A petição faz menção ao caso de Leelah Alcorn, um menino transexual de 17 anos que se suicidou em dezembro do ano passado, no estado de Ohio. Ele deixou uma nota na qual explicava que seus pais o tinham forçado a comparecer a um tratamento de conversão.

"Essa noite, em algum lugar dos EUA, um jovem pode não conseguir dormir porque tem que carregar só um segredo que guardou desde sempre. Talvez, em breve, decida que chegou o momento de revelá-lo", disse Obama na resposta ao abaixo-assinado.

"O que ocorrer depois depende dele, de sua família, de seus amigos, professores e da comunidade. Mas também depende de nós, do tipo de sociedade que vivemos e do futuro que estamos construindo", completou o presidente americano.

No comunicado divulgado pela Casa Branca, a assessora de Obama, Valerie Jarret, informou que o governo 'apoia os esforços para proibir o uso de tratamentos de conversão em menores'.

"Evidências científicas demostram que esse tipo de tratamento não é adequado nem em um ponto de vista médico nem ético, podendo causar danos substanciais, especialmente quando praticado em pessoas jovens", afirmou.

Esse tipo de terapia conta com o apoio de alguns grupos conservadores e religiosos nos EUA.

Fonte: G1