Obras da Transnordestina começam em agosto no Piauí

Luciano disse que esta obra está recebendo um dos maiores investimentos já feitos pelo PAC

O Secretário Estadual de Transportes, Luciano Paes Landim, anunciou que a previsão para o início das obras da ferrovia Transnordestina, aqui no Estado, será em agosto deste ano. Atualmente, as obras estão concentradas apenas entre Salgueiro (PE), Trindade (PE) e Missão Velha (CE). Nesta terça-feira (23), a Transnordestina Logística, empresa que detém a concessão da Nova Transnordestina, vai apresentar à Ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, um plano para aceleração do ritmo das obras da ferrovia, no sentido de viabilizar a inauguração no ano de 2010, como prevê o Governo Federal. O cronograma desse plano prevê que até o fim do ano, 15 mil homens estejam trabalhando em mais 15 frentes no traçado da ferrovia.

Luciano Paes Landim disse, ainda, que esta obra está recebendo um dos maiores investimentos já feitos pelo PAC ? Programa de Aceleração do Crescimento. Transnordestina é o nome da futura ferrovia de cargas, com 1.728 quilômetros, que ligará a cidade de Eliseu Martins, no sertão do Piauí, aos Portos de Suape (PE) e de Pecém (CE). Fruto de um importante investimento de R$ 5,422 bilhões, a estrada de ferro será o marco da transformação socioeconômica do Nordeste.

A licença ambiental e a desapropriação são os principais obstáculos para o começo da obra. As licenças ambientais estão previstas para serem concedidas até o mês de setembro, conforme acordado entre a Casa Civil e o Ibama, podendo serem concedidas antes desse prazo. E com interesse em colocar as obras para andar, os Estados envolvidos tomaram de conta das desapropriações em 2008, e agora estão conseguindo dar mais velocidade ao processo. De acordo com informações dos governos, o Estado mais adiantado nas desapropriações é o Piauí, onde já tem 110 quilômetros desembaraçados. Pernambuco tem outros 87 km, e o Ceará, só agora conseguiu contratar uma empresa para fazer o levantamento topográfico e as avaliações.

Luciano Paes Landim destaca que a Transnordestina vai viabilizar a ampliação do potencial da Região Nordeste como pólo de exportação e alternativa de escoamento da produção agrícola do Cerrado brasileiro. ?Esta obra vai possibilitar a instalação de novas empresas e indústrias no Piauí, a setores ligados como o agronegócio, mineração, construção civil, logística, turismo, calçados, móveis e serviços?, enfatizou Paes Landim. Ele acrescentou, ainda, que devem ser concretizados proejtos públicos e privados, que antes eraminviáveis pela falta de transporte e infra-estrutura adequados. O comércio e o turismo também deverão ter um aquecimento por conta da ferrovia Transnordestina.

Fonte: Assessoria