Olimpíadas no Rio terá um plano Nacional de Segurança

Tarso Genro, no entanto, não revelou o volume de recursos que serão repassados ao Rio

Uma equipe técnica do Ministério da Justiça deve visitar o Rio de Janeiro nos próximos dez dias para definir, em reuniões com representantes da administração estadual e da prefeitura, as normas que vão direcionar repasses anuais do governo federal para preparar a cidade que vai sediar as Olimpíadas de 2016.

A informação foi dada hoje (29) pelo ministro Tarso Genro. De acordo com ele, o governo estuda a possibilidade de lançar uma espécie de Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci) especial para garantir que as melhorias na área de segurança pública não se percam após a realização do evento esportivo.

“Quando o presidente diz que os recursos são ilimitados ele quer dizer que serão os necessários. Nós não vamos traçar um limite agora. Vamos chegar às Olimpíadas com a qualidade da segurança pública muito melhor e não vai cair depois”, afirmou, ao participar no Rio de Janeiro de um seminário sobre a transição da ditadura à democracia, organizado a pedido da Organização das Nações Unidas (ONU).

Tarso Genro, no entanto, não revelou o volume de recursos que serão repassados ao Rio, mas garantiu que serão verbas aplicadas e fiscalizadas pelos três níveis de governo e pela sociedade. Ele afirmou que não há dificuldades para garantir a segurança durante a realização dos Jogos, o que pode ser feito até com o auxílio da Força Nacional de Segurança Pública e das Forças Armadas.

“O esforço das três esferas de governo deu tranquilidade para a realização dos Jogos Pan-Americanos, mas depois o ritmo da criminalidade permaneceu praticamente o mesmo. A questão é como desenvolver um projeto até as Olimpíadas que se torne um legado”, ressaltou. Para isso, mais uma vez, ele defendeu medidas preventivas, como a pacificação das favelas, por meio da implantação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). “Se não ganharmos a batalha do Rio, vai ser muito difícil mudar o paradigma da segurança no país”, acrescentou.

Fonte: Agência Brasil