Ônibus coletivos de Teresina devem ter ar-condicionado em 2016

O sistema prevê a reformatação do transporte público coletivo

A instalação de ar-condicionado nos ônibus coletivos é, sem dúvida, uma das principais reivindicações dos teresinenses que dependem diariamente do transporte coletivo. A realização deste “sonho” está próximo de acontecer. Pelo menos é o que garante a Prefeitura de Teresina.

Tudo vai depender da implantação do BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus. O sistema prevê a reformatação do transporte público coletivo de Teresina, com a ampliação da frota para 473 ônibus. O secretário municipal de Planejamento e Coordenação, Washington Bonfim, explica que o projeto foi desenvolvido no Paraná e, diante do sucesso, tem sido implantado em várias outros estados.

“Queremos dar agilidade e conforto para os usuários do transporte coletivo. A intenção é que o cidadão se sinta confortável e que se crie uma concorrência para o transporte individual. É uma alternativa mais eficiente que o metrô”, considera Bonfim. Entre as mudanças previstas no sistema BRT está a instalação de ar-condicionado em parte da frota de ônibus.

Image title

Também estão planejadas a construção de dois Terminais de Integração em cada zona da cidade, três estações de transbordo e a implantação de mais faixas exclusivas de ônibus. Com isso, será proporcionada ao passageiro rápida mobilidade urbana. De acordo com o projeto, haverá diferenciação entre as linhas troncais e alimentadoras.

A intenção da prefeitura de Teresina é que até o início do segundo semestre de 2016 parte do BRT já esteja funcionando. Com obras dos terminais em ritmo acelerado, a zona Sudeste será a primeira região da cidade a ter o sistema implantado.

Sobre um possível reajuste da tarifa da passagem do transporte coletivo, que atualmente custa R$ 2,50, o secretário Washington Bonfim não confirma nem descarta o provável aumento. “Tudo isso será discutido em um momento posterior. O valor atual é caro porque o sistema é ruim. Mas penso que se houver melhora efetiva e serviço de qualidade, os passageiros não terão problema em pagar um valor justo”, finaliza Bonfim.

Fonte: Pollyana Carvalho e Izabella Pimentel