ONU aponta que Bolsa Família é exemplo mundial no combate à fome

Congresso discute cortes no programa para ajustar contas públicas

Enquanto o Congresso discute grande corte no orçamento do Bolsa Família para ajustar as contas públicas, a Organização das Nações Unidas usa a experiência brasileira como exemplo mundial de redução da pobreza. O programa de distribuição de renda foi citado três vezes no Relatório de Desenvolvimento Humano 2015. A elogiada engenharia nacional para erradicar a miséria teve efeito diretamente na queda do indicador chamado de pobreza multidimensional (que considera não apenas a renda, mas também condições de saúde, educação e domicílio) nos últimos anos.

Nas contas das Nações Unidas, 2,9% da população brasileira ainda vivem na pobreza. O número já foi bem maior: 4% em 2006. No ano passado, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) divulgou que esse percentual tinha caído para 3,1%. O cálculo é muito mais sofisticado que os usuais. Além de levar em conta a renda, o Pnud entende que a pobreza deve ser medida por privações que afetam a qualidade de vida.

Gráficos do relatório da PNUD  (Crédito: PNUD/Human Development Report 2015)
Gráficos do relatório da PNUD (Crédito: PNUD/Human Development Report 2015)


7% PODEM DEIXAR CLASSE MÉDIA

Analisa se há condições decentes de vida, por exemplo, se o indivíduo tem água, luz, saneamento, escola e saúde. Considera ainda itens como alimentação, energia para cozinhar, saneamento, água, eletricidade, moradia digna e renda. Perto do limiar de pobreza estão 7,2% dos brasileiros, ou seja, estão vulneráveis a sair da classe média. Na miséria extrema, há 0,4% dos brasileiros. Dados melhores que no passado, que confirmam o sucesso das políticas no país.

Principal responsável pela melhora, o Bolsa Família teve destaque num box de meia página no relatório das Nações Unidas. O texto diz que, desde que o programa foi lançado, cinco milhões de brasileiros saíram da pobreza extrema.O Pnud diz ainda que o Bolsa Família venceu as preocupações iniciais de que as transferências de dinheiro para pobres podiam diminuir a oferta de trabalho. “O Bolsa Família tem permitido um aumento na taxa de emprego da população economicamente ativa, uma redução de inatividade e taxas de informalidade, aumento da proporção de trabalhadores contribuindo para o desenvolvimento social e um aumento no salário médio”, afirma a ONU.

Com índice 0,011, o Brasil está melhor em termos de pobreza que a maior parte da América Latina. Ficou à frente de países como Argentina, México, Colômbia e Peru, por exemplo.

Fonte: Com informações do OGlobo