Paciente contrai zika, dengue e chikungunya simultaneamente

Ele viajava constantemente para diversas regiões do país

Caso foi registrado no município de Sincelejo (Crédito: Divulgação)
Caso foi registrado no município de Sincelejo (Crédito: Divulgação)


Um grupo de infectologistas colombianos registrou pela primeira vez a ocorrência simultânea de dengue, chikungunya e zika em uma mesma pessoa. É o primeiro caso relatado de coinfecção por três dos vírus transmitidos pelo mosquito Aedes aegypti.

O paciente, um homem de 49 anos não identificado, viajava constantemente para diversas regiões do país e provavelmente foi exposto aos diferentes vírus em diferentes áreas, dizem os médicos.

O caso registrado no município de Sincelejo, no norte do país, vem sendo discutido por especialistas deste o início do mês após publicação de um estudo do grupo na revista "Journal of Infection and Public Health".Segundo o artigo, liderado por Wilmer Villamil-Gómez, da Universidade de Cartagena, apesar de se tratar de um caso altamente preocupante, o homem foi medicado para controlar os sintomas e passa bem.O homem buscou o hospital após ter passado quatro dias com febre de 38°C, conjuntivite e manchas avermelhadas nas costas e nos braços.

Após serem submetidos a exames de anticorpos para detectar os três vírus, todos resultaram positivos.

SEM SINERGIA?

Além dos sintomas relatados pelo próprio paciente, os médicos ainda notaram avermelhamento dos gânglios linfáticos e inchaço nas pernas. Nenhum sintoma específico foi detectado como razão de interação entre os outros dois vírus, porém."Nenhum efeito sinergético dessas infecções virais foi observado porque o paciente não precisou de internação e se recuperou após procedimentos clínicos leves", escreveram os médicos.

O relato chegou a provocar ceticismo por parte de outros grupos de médicos colombianos, porque testes de anticorpos não são capazes de diferenciar bem os vírus da dengue e do zika.

Os cientistas, porém, relataram ter confirmado o caso por teste de material genético do zika.Apesar de os médicos terem conseguido controlar os sintomas no paciente até a viremia passar, é possível que outros casos de múltipla infecção venham a sofrer complicações específicas, já que o prognóstico varia muito de paciente para paciente.Os pesquisadores afirmam que é preciso ficar atento para a coinfecção daqui para a frente em áreas como Brasil e Colômbia, onde circulam três dos quatro vírus mais patogênicos transmitidos pelo Aedes aegypti. O quarto, vírus da febre amarela, está sob controle na região por campanhas de vacinação.

Fonte: Bem Estar